//
você está lendo...
Imprensa

Um intervalo

Durante os próximos dias estarei de fora do blog para participar de um debate em São Paulo sobre o repórter, coordenado por uma grande jornalista, Eliane Brum, tendo como homenageado outro grande jornalista, José Hamilton Ribeiro. Reproduzo o texto preparatório para o encontro preparado por Eliane, já aqui – e no Jornal Pessoal – divulgado.

Essa temporada será boa – espero- para que todos meditemos sobre este espaço e sua continuidade.

Até a volta, ou, se houver oportunidade, alguma postagem aleatória.

Memória e inquietações movem a segunda edição de Repórter. Criada em 2011, a série do Itaú Cultural foi idealizada pela jornalista Eliane Brum para documentar a experiência dos grandes repórteres brasileiros, registrando-a e tornando-a disponível na internet, assim como refletir sobre esse momento de mudanças profundas da imprensa. A reportagem é a narrativa da história em movimento. Seu percurso e suas contradições também revelam o seu tempo.

Assim, Repórter tem a ambição de registrar a memória de quem conta a história do hoje, transformando-a em documento histórico para a consulta das gerações futuras. E, ao mesmo tempo, a ousadia de também construir memória, ao pensar sobre os desafios de fazer reportagem nesta época, na qual jovens jornalistas precisam encontrar um modo de fazer seu trabalho no contexto de um modelo de negócio em crise, assim como repórteres experientes confrontam-se com o imperativo de criar alternativas para continuar narrando o presente com toda a complexidade, as nuances e o respeito à alteridade que a reportagem exige.

José Hamilton Ribeiro: 60 anos de reportagem

Nesta segunda edição, que acontecerá em 2 de setembro, no auditório do Itaú Cultural, em São Paulo, o homenageado será o repórter José Hamilton Ribeiro. Aos 80 anos e ainda na ativa, ele é um dos maiores repórteres da história da imprensa brasileira. Em 60 anos de profissão, o paulista Zé Hamilton contou vários Brasis e vários momentos desses tantos países que convivem no mesmo território. Trabalhou em diversas publicações impressas, entre elas a lendária revista Realidade, e também na rádio e na TV. Tem 15 livros publicados e é vencedor de sete prêmios Esso.

Em 1968, Zé Hamilton testemunhou a Guerra do Vietnã. Nessa cobertura, perdeu a parte inferior da perna esquerda, na explosão de uma mina vietcong. Assim ele descreveu o momento: “De repente me senti no ar. Quando me dei conta, estava sentado no chão envolto em fumaça. Procurei meu intérprete, um americano de origem mexicana, e não o vi. Pensei que o rapaz tivesse morrido. Só aí senti que minha perna esquerda puxava. Olhei e não havia mais o pé. Só alguns minutos depois começou a doer”.

Tão logo voltou a si, depois da cirurgia de amputação, comentou, bem no seu estilo: “Este meu pé esquerdo sempre me deu problemas. Quando criança, tive nele uma tuberculose óssea. Não me fará muita falta. Pensando bem, tive sorte. No mesmo local em que fui e pisei a mina, pouco antes dois soldados morreram e um terceiro perdeu ambas as pernas e um braço”. Este é Zé Hamilton – ou “Zé Parmito”, como chamam os amigos reporteros mais íntimos. Ao ligar para ele para combinar essa homenagem, fomos encontrá-lo em campo, no Pantanal, reporteando para o programa Globo Rural, onde é repórter especial há mais de 30 anos.

Na década de 50, Zé Hamilton foi impedido de se formar no curso de jornalismo da Cásper Líbero, por ter liderado uma greve. Começou a trabalhar como estagiário na Rádio Bandeirantes. Nos corredores, encontrava-se com artistas da música caipira, com quem conversava, ainda sem perceber a sua importância para a arte e também para a sua vida de repórter. Ainda em 2015, Zé Hamilton vai lançar a reedição revista e ampliada de “Música Caipira: as 270 maiores modas” (Realejo), desta vez acompanhada de um DVD.

Em José Hamilton Ribeiro: 60 anos de reportagem, quatro grandes repórteres foram convidados para entrevistar o grande repórter: Audálio Dantas, Clóvis Rossi, Lúcio Flávio Pinto e Ricardo Kotscho. A entrevista encerrará o evento, a partir das 20 horas. A mediação será da repórter e curadora da série, Eliane Brum.

Lúcio Flávio Pinto: o repórter que inventou um Jornal Pessoal

A abertura de Repórter, às 15h, é também um encontro imperdível. Em O repórter que inventou um Jornal Pessoal, o entrevistado será Lúcio Flávio Pinto, jornalista paraense que se tornou a principal referência na cobertura da Amazônia. Depois de trabalhar em grandes veículos nacionais, incluindo 18 anos no jornal O Estado de S. Paulo, Lúcio Flávio criou, na década de 80, o seu Jornal Pessoal.

Em setembro de 2015, o JP completará 28 anos de existência de forma totalmente independente: sem anunciantes publicitários. Com tiragem de 2 mil exemplares, o jornal tem 16 páginas, é quinzenal e vendido a R$ 5 em bancas e livrarias de Belém do Pará e região.

Nas palavras de Lúcio Flávio Pinto: “O objetivo é combater o ‘destino manifesto’ que se impõe à região, de ser colônia. Acredito com firmeza que a história não está escrita nas estrelas, restando-nos contemplá-las, à distância, como acidentes da natureza. Creio que podemos escrever também a história e, nessa escrita, sair da trilha dos colonizadores e da camisa de força em que nos colocaram os dominadores”.

Apenas parte do acervo do Jornal Pessoal está digitalizada na internet. Para Lúcio Flávio, o compromisso maior é manter o jornal vivo e materializado, arriscando-se ao contato íntimo do toque: “A versão impressa atesta o compromisso do jornal com o desafio de se manter visível, acessível no mundo real e exposto democraticamente nas ruas”.

Pela contundência de suas reportagens e pela independência de sua atuação, Lúcio Flávio ganhou vários prêmios nacionais e internacionais. Também escreveu 21 livros, todos sobre a Amazônia. As mesmas razões que o fizeram ser reconhecido no jornalismo, tornaram-no alvo de 33 processos judiciais e até de agressões físicas. O Jornal Pessoal já foi tema de matérias no Washington Post, Le Monde, The New York Times, Corriere della Sera, The Independent, entre outros. Para entrevistá-lo, foram convidados dois jornalistas com experiência reconhecida na cobertura amazônica e socioambiental: Leonêncio Nossa, do Estadão, e Paulina Chamorro, das rádios Eldorado e Estadão. A mediação será de Claudiney Ferreira e Eliane Brum.

Discussão

3 comentários sobre “Um intervalo

  1. Homenagem merecidíssima!!!!

    Que você também alcance (e supere!!!) os 80 anos, e mais, na ativa, produzindo, pesquisando, desbravando, expondo, criticando e questionando nossa realidade belenense, paraense, amazônida e brasileira, que tão bem sabe fazer!!!!!

    Merecido descanso, mestre, até a volta! Serão dias difíceis sem seus preciosos textos diários, ou horários, a nos brindar com jornalismo de verdade sobre os acontecimentos da terra amada morena.

    Sem dúvida os fãs-leitores aguardaremos ansiosos seu retorno, e os poderosos prestarão glórias divinas à “folga” que terão em seus calcanhares.. Rss

    >

    Curtir

    Publicado por Marlyson Olivier | 29 de agosto de 2015, 20:33
  2. Parabéns, Lúcio. Seu trabalho torna a profissão mais digna.

    Curtir

    Publicado por Nemézio | 1 de setembro de 2015, 16:35

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: