//
você está lendo...
Sem categoria

Barcarena: sempre vítima

Este meu artigo saiu no Jornal Pessoal de 2009, sete anos atrás.O que mudou para melhor desde então? Os acidentes se amiúdam, apesar das providências anunciadas para evitá-los.

Mais um vazamento industrial em Barcarena, agora causado pela Alunorte, reforça (e renova) a necessidade de um plano diretor para todo distrito. Não chegou a haver um grande impacto ecológico e humano nem a causa do acidente pode ainda ser atribuída à negligência ou falha da empresa.

À falta de laudos finais sobre o episódio, parece que ele foi causado por uma chuva excepcionalmente intensa: em hora e meia o que caiu de água (105 milímetros) equivaleu a “30% do total médio histórico para todo mês de abril”, o mais molhado do ano, explicou a Alunorte em nota de esclarecimento.

Houve transbordamento (mas não rompimento) de um canal que conduz água e resíduos de bauxita, contaminados por soda cáustica (usada no processo industrial), para tratamento e despejo na drenagem natural. Os efluentes caíram diretamente no rio Murucupi, antes, portanto, do tratamento para neutralizar seu PH e impedir danos à natureza e ao ser humano. Mas a empresa garantiu que não houve “qualquer risco para a saúde das pessoas ou uma evidência forte para ocorrência de mortandade de peixes”.

Além de fazer seu próprio acompanhamento do processo industrial, a Alunorte contratou dois consultores para monitorar as águas logo depois do acidente. Informou que não encontrou elementos para caracterizar um desastre ambiental ou danos significativos.

Mesmo assim, foi multada, tanto pelo órgão federal, o Ibama, quanto pelo estadual, a Sema. A empresa disse que recorreria das autuações. Sustenta que o acidente “foi provocado por um fenômeno da natureza” e não por qualquer falha.

De fato, a chuva foi fora de padrão em toda região, castigando também a capital com violência. Mas a pergunta que imediatamente se podia fazer era se a margem de segurança para as barragens que abrigam ou drenam os resíduos era correta. Os técnicos argumentam que sim.

No momento da entrevista coletiva, porém, não dispunham de números sobre séries históricas de observação das precipitações pluviométricas, que pudessem comprovar que a chuva do dia 26 estava fora dos padrões históricos, por isso extrapolando a margem de segurança das obras de engenharia.

A questão ainda está em aberto. Mas o presidente da Alunorte, Ricardo Carvalho, disse que a empresa formulou um projeto para a formação de um condomínio ambiental com as outras unidades do distrito industrial, o que possibilitaria rever e adequar suas instalações de uma forma global. Se isso acontecer e for sério, este acidente poderá ter um efeito positivo. Espera-se que não sejam necessários novos acidentes.

Discussão

4 comentários sobre “Barcarena: sempre vítima

  1. Lúcio,

    Desculpa esfarrapada da empresa. A não ser por um terremoto ou um tsunami que são, até hoje, imprevisíveis, nenhum acidente é “provocado por um fenômeno da natureza”, mas sim por falta de competência da empresa em ter sistemas de controle de acidentes que levem em conta os extremos climáticos, incluindo eventuais chuvas bem acima da média.

    Gerenciar os extremos em uma época de mudanças climáticas drásticas é o mínimo que se poderia esperar de uma empresa como a Alunorte. As multas são mais do que justificadas.

    Ao invés de recorrer das multas, o presidente da Alunorte deveria ir além do condomínio ambiental cujo objetivo é simplesmente se adequar as normas m;inimas de segurança ambientais exigidas. Isso já deveria ter sido feito e não trás nada de novo.

    Se ele quissesse inovar mesmo, ele deveria liderar e investir em um processo de transformação de todo o distrito em um sistema de economia circular, inteligente e resiliente, cercado por um corredor ecológico para mitigar as emissões de carbono do polo industrial.

    Curtir

    Publicado por Jose Silva | 10 de novembro de 2016, 11:04
  2. Perdoe-me ilustre jornalista, mas não há falta de laudo conclusivo por parte do poder público. O que há é o entrave jurídico de sempre e utilização dos subterfúgios habituais.

    Curtir

    Publicado por Nazareno | 10 de novembro de 2016, 11:45
  3. Poxa, acho que a Alunorte deveria exigir de São Pedro imediatas desculpas. Coitada da empresa…!Oh São Pedro tenha mais cuidado, pô, senão eles vão demorar mais para levar nossas riquezas e deixar , como sempre, a pobreza…

    Curtir

    Publicado por ARLINDO CARVALHO | 10 de novembro de 2016, 14:49

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: