//
você está lendo...
Política

Cassação de Zenaldo esquenta

O Ministério Público Eleitoral, reafirmando a denúncia que fez contra o prefeito reeleito de Belém, Zenaldo Coutinho, do PSDB confirmou o pedido de cassação do seu mandato por abuso de poder econômico e político durante a campanha do ano passado. É o conteúdo do parecer, de autoria do procurador Bruno Valente, enviado hoje ao Tribunal Regional Eleitoral. O documento aborda a cassação do diploma do prefeito na primeira instância da justiça eleitoral,.

O prefeito foi condenado por veicular propaganda institucional em período proibido, contendo promoção pessoal do então candidato. As irregularidades também foram encontradas em placas de obras espalhadas pela cidade. O caso mais grave, segundo o MPF, foi da obra do sistema BRT, inaugurada sem estar concluído, em caráter experimental, oferecendo milhares de viagens gratuitas durante o período de campanha eleitoral.

Com o parecer do MPF, o TRE finalmente poderá decidir em primeira instância um processo que extravasou para depois da diplomação, já com o exercício do mandato em curso. Em caso de confirmação da cassação em prazo curto, nova eleição será realizada, nessa hipótese conferindo maior legitimidade ao novo prefeito que vier a ser escolhido pelo povo, já sem o titular do cargo na disputa.

 

Discussão

8 comentários sobre “Cassação de Zenaldo esquenta

  1. Olha aí Fabinho, a materia de Lucio Flavio Pinto.

    Curtir

    Publicado por Marcia Vasconcelos | 23 de janeiro de 2017, 17:11
  2. Será que mais uma vez assistiremos uma excelente aula sobre como é construída a presente barbárie social, confirmando quem sempre se beneficiou e quem sempre foi o penalizado pela manutenção do status quo.

    Curtir

    Publicado por Luiz Mário | 23 de janeiro de 2017, 18:12
  3. Quem estava devagar? MPE ou TRE? Neste caso, quanto mais rápida for a decisão melhor.

    Curtir

    Publicado por Jose Silva | 24 de janeiro de 2017, 00:42
  4. Novas eleições? Teriam que ser curtas, pois caso a chapa fosse mesmo cassada, quem assumiria no intervalo que corresponderia ao tempo da eleição?

    Curtir

    Publicado por Jonathan | 24 de janeiro de 2017, 13:20
  5. Eu pensava que a segunda chapa seria automaticamente empossada com a cassação dele pós diplomação, achei que só haveriam novas eleições se ele tivesse sido cassado antes da diplomação.
    Esses casos de ineligibilidade bem que poderiam ser resolvidos antes do fim do processo eleitoral. Agora o contribuinte tem que pagar por mais uma eleição por causa da morosidade do sistema.

    Curtir

    Publicado por Lorena | 31 de janeiro de 2017, 16:50

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: