//
você está lendo...
Energia, Grandes Projetos, Hidrelétricas

Belo Monte será chinesa?

O Estado de S. Paulo anunciou, ontem, que o controle acionário da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, no Pará, está à venda. O jornal obteve informações de que os principais acionistas da Norte Energia, concessionária que administra a usina, já contrataram o Bradesco BBI e buscam com um banco internacional para buscar potenciais investidores no Brasil e no exterior.

A oferta de venda seria das ações da estatal mineira Cemig, da Light,,  dos fundos de pensão Petros (da Petrobrás) e Funcef (da Caixa), da mineradora Vale, da siderúrgica Sinobras, de Marabá,  e da J. Malucelli. Em conjunto, elas detêm 50,02% da Norte Energia.

Segundo o jornal paulista, o valor patrimonial de Belo Monte, projetada para ser a terceira maior hidrelétrica em capacidade instalada do mundo, é estimado em 10 bilhões de reais. A conclusão das obras será em 2019, quando todas as suas 18 turbinas gigantescas estarão funcionando, em condições de gerar (no auge do período de chuvas) 11.233 megawatts (MW) de energia. Essa etapa ainda exigirá mais R$ 5 bilhões, pelo menos.

O jornal diz que nessa etapa final, o custo de Belo Monte será de mais de R$ 31 bilhões, a partir de uma previsão inicial de R$ 18 bilhões. Desse total, R$ 22 bilhões foram financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, do qual a Norte Energia ainda espera receber mais R$ 2 bilhões. O eventual comprador assumirá desse débito.

Segundo a notícia, “por ora, a participação do Grupo Eletrobrás, de 49,98%, não está à venda. Mas, como a estatal tem o direito de “tag along” (mecanismo que permite ao minoritário vender suas ações pelo preço pago ao controlador), o grupo também poderia vender sua fatia na hidrelétrica, diz uma fonte do setor, caso o valor seja satisfatório”.

Informa o Estadão que “antes mesmo da contratação do banco que vai liderar a negociação, algumas chinesas – que são consideradas “candidatas” a qualquer processo de fusão e aquisição no País – já vinham sondando o empreendimento. State Grid e China Three Gorges – que estão há mais tempo no Brasil e abocanharam importantes ativos no setor de energia, como Cesp, CPFL e Duke Energy – já começaram a avaliar a usina. A State Grid, por exemplo, está construindo o linhão que vai distribuir a energia de Belo Monte”.

A previsão dos informantes é de que venha a ser formado um ou mais consórcios, indicando que a disputa no leilão será acirrada, apesar de um complicador: os investigadores da Operação Lava Jato receberam informações sobre o pagamento de propina a políticos por parte do consórcio construtor de Belo Monte, formado pelas empreiteiras Odebrecht, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, OAS e outras cinco empresas menores, também participantes do esquema de corrupção na Petrobrás.

 

“Há uma enorme preocupação por parte dos investidores que têm negociado ativos de empresas envolvidas na Lava Jato de que o escândalo acabe respingando nos futuros controladores. Se o valor da multa já está estipulado, coloca-se no preço. Caso contrário, a incerteza é grande”, disse ao jornal um advogado, que preferiu não se identificar.

Outro entrave por ele apontado “é o modelo financeiro adotado em Belo Monte. Analistas que acompanham o projeto afirmam que o retorno do investimento caiu pela metade nos últimos anos por causa das paralisações e multas aplicadas por atraso nas obras”.

Embora algumas informações citadas no texto não estejam corretas, a transferência do controle acionário de Belo Monte dá razão aos raros que apontavam a inviabilidade econômica do empreendimento. A elevação exagerada do seu custo final, por diversos fatores, complicou o retorno do investimento através da receita operacional. A usina teria que funcionar por bastante tempo com prejuízo. As empresas dispostas a passar em frente as suas ações não querem ou não podem suportar esse ônus.

Um novo controlador o assumirá? Os chineses, talvez. Pela regra das suas negociações, porém, desde que haja compensações e vantagens tanto no negócio de energia quanto nos interesses paralelos ou convergentes que possuem ou pensam ter. Caso a transação ocorra, eles se tornarão donos tanto da geração da maior hidrelétrica do Brasil quanto das linhas de transmissão de energia.

Não é, portanto, apenas uma operação comercial. Toca em interesses superiores do país. Por isso, tem que ser acompanhada pela sociedade.

Discussão

4 comentários sobre “Belo Monte será chinesa?

  1. Que isso iria acontecer, nós já sabiamos. A questão é quem lucrou e quem perdeu com esse mastodonte parido da mente distorcida da Diminha? Certamente muita gente, mas muita gente, ganhou nesse jogo. Quem foi? Para quais fins? Nem precisa investigar quem perdeu: basta olhar no espelho.

    Curtir

    Publicado por Jose Silva | 11 de fevereiro de 2017, 12:10
  2. Acordo em ceder 49℅.

    Curtir

    Publicado por Elieser | 3 de maio de 2017, 22:12

Trackbacks/Pingbacks

  1. Pingback: BELO MONTE SERÁ CHINESA? | LIVRE IMPRENSA - 12 de fevereiro de 2017

  2. Pingback: Estão entregando o Patrimônio Nacional aos estrangeiros: BELO MONTE SERÁ CHINESA? | Luíz Müller Blog - 13 de fevereiro de 2017

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: