//
você está lendo...
Cidades

As mangueiras caem em Belém

(Este meu artigo acaba de ser publicado no site Amazônia Real)

Nos dois primeiros meses deste ano, a chuva forte e os ventos já derrubaram oito mangueiras em Belém. É um recorde. A prefeitura teve que por abaixo muitas outras, ameaçadas de não resistirem ao rigor do “inverno” amazônico, que vai até abril ou maio. Estão enfraquecidas pela ação de parasitas e outros elementos naturais.

A maior ameaça, no entanto, vem do homem. O mesmo agente que introduziu essa espécie asiática na paisagem da capital paraense, a 10ª mais populosa cidade brasileira, pode acabar com ela. O personagem inicial foi o maranhense Antonio Lemos.

Ele foi prefeito municipal (na época, conhecido por intendente), considerado o melhor até hoje, entre o final do século XIX e os 12 primeiros anos do século XX, quando – pelas paixões políticas irracionais – foi deposto, posto em desgraça e exilado para morrer no ano seguinte, no Rio de Janeiro.

No auge da belle époque da borracha, Belém queria ser a Paris dos trópicos. Tinha bonde elétrico, energia pública a gás, palacetes, boulevards e um teatro de ópera com agenda cheia de atrações, inclusive internacionais. Pereira Passos, o saneador e urbanizador da capital federal, o Rio de Janeiro, foi a Belém ver o que Lemos fizera e ele imitaria, na contramão da influência dominante, de sul para o norte.

O intendente importou e plantou milhares de mangueiras. A árvore pegou tão bem que passou a ser uma das marcas daquela que, na época, era a terceira mais importante cidade do país. Permaneceu com essa função por décadas.

Estima-se que, hoje, o núcleo mais antigo da cidade, que possui 1,5 milhão de habitantes, tenha três mil árvores centenárias, na parte mais bonita, tão perfeitamente demarcada que passou a ser conhecida como o quadrilátero das mangueiras.

As mangueiras são troncudas, com muitos galhos, uma copa frondosa e espessa, bem altas, dando frutos quase o ano inteiro, em safras contínuas. Inadequadas para um meio urbano tão densamente ocupado como o de Belém – sentenciam os defensores de árvores mais esguias, menos altas e corpulentas. E sem frutos.

Que árvores com 10 a 15 metros de altura ainda estejam de pé é quase um milagre. Além dos adversários da natureza, elas enfrentam as linhas de transmissão de energia (Belém não possui um único quilômetro de fiação subterrânea), que demandam poda. Suas raízes são decepadas pelas turmas da companhia de água, que cavam como toupeiras artificiais.

Os aparelhos de refrigeração lançam sobre elas o ar quente que expelem. Elas absorvem ainda a descarga dos carros, além da poluição em geral. E, no inverno, são sacudidas pela força da água e do vento. Não admira que caiam. De admirar é a sua resistência às intempéries urbanas.

O belenense se irrita quando uma manga cai sobre o seu carro, quebrando vidro ou achatando metal. Pior é quando atinge alguém, podendo causar sério dano ao corpo. Sistematicamente, suas folhas entopem as drenagens e sujam o ambiente. Melhor substituí-las por espécies mais compatíveis com o elemento dominante (e dominador), o homem urbanamente selvagem.

Não importa que a Belém das mangueiras se diferencie, por sua cor, perfume, temperatura e suavidade da parte preponderante da cidade, muito árida, com uma das menores coberturas vegetais do país, apesar de estar na entrada da maior floresta tropical do planeta. Nem que o fruto saboroso e suculento seja uma fonte de alimentação boa e barata para todos.

Os aspectos negativos da presença das mangueiras podiam ser neutralizados se a administração municipal tivesse um serviço especificamente destinado ao tratamento fitossanitário das árvores, a cadastrá-las e monitorá-las através de uma guarda florestal, que se incumbiria de coletar os frutos antes de eles caírem – e coisas assim.

Insensíveis a esses argumentos, os donos das decisões, assustados pela queda de uma árvore enorme e pesada (três toneladas só de copa), querem o fim das mangueiras, o que significa querer, em parte, o fim de Belém, e consagrar o fim da Amazônia, definido pelo avanço incontrolável do desmatamento sobre a floresta, o mais intenso de toda história da humanidade.

Quando – e se – Belém não tiver mais suas centenárias mangueiras, em que simbologia haveremos de nos agarrar para crer que a Amazônia ainda pode ser salva?

Discussão

3 comentários sobre “As mangueiras caem em Belém

  1. Vdd.LFPinto
    Salvo engano vcs em Blm contam c/ secretário oriundo da área florestal. A Semmas deveria esclarecer seu planejamento (!?) Metodologia, programa de trabalho…
    Mas, imagina, gestor em nossas plagas amazônica apenas agem como cartorários, recebedores de dinheiro, carimbadores de papéis ditos Licenças (p/ matar toda biodiversidade q ainda muito pouco nos resta).
    Vivenciamos a desconstrução de nossos cenários, paisagens naturais. Enumero o caso do shopping próx.ao aeroporto q suprimiu mata nativa, c/ fauna e flora singulares. O caso dos tais condomínios fronteiriços entre Benevides, Outeiro, na mesma linhagem de supressão florestal, da biodiversidade… A cx de Pandora dos Processos de Licenciamento Ambiental precisa ser transparente, e pro-ambiente.

    Curtir

    Publicado por Amélia Oliveira | 9 de março de 2017, 11:47
  2. *gestores

    Curtir

    Publicado por Amélia Oliveira | 9 de março de 2017, 11:48
  3. Em que caminho vamos. O presidente da Câmara Municipal conversa com Zenaldo para retirar uma velha mangueira em frente ao seu condomínio.
    Ainda que não seja uma reportagem completa ouvindo as diversas partes, vale conferir.
    http://aapbel.blogspot.com.br/2017/03/presidente-da-camara-de-belem-usa-de.html

    Curtir

    Publicado por Fabrício | 23 de março de 2017, 19:50

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: