//
você está lendo...
Política

Jatene x Jader, os iguais

O governador Simão Jatene assinou um artigo na edição de ontem de O Liberal para atacar a família Barbalho com acusações e expressões agressivas. Hoje, o Diário do Pará publicou sua “resposta a um governador desgovernado”. Um acusa o outro de agir por desespero, ambos na iminência de verem suas carreiras e pretensões políticas frustradas por decisões da justiça, onde s’ao r[eus.

 

O Pará já teve polêmicas melhores e causas mais nobres. Se realmente escreveu o que o jornal da família Maiorana acolheu, então é melhor Jatene procurar um professor de português. Porque escreve muito mal. Se a obra é de um assessor, melhor dispensá-lo. É incompetente.

 

Apesar das palavras duras que usa, como ao chamar os adversários de canalhas, o governador não dá nome aos bois. Contraditoriamente, diz que distingue a família Barbalho de “alguns de seus membros”, nos quais centrou seu ataque, mas em nenhum momento cita os dois nomes que alveja: o senador Jader Barbalho e seu filho, o ministro Helder Barbalho.

 

Falar de Jader não lustra o currículo de Simão Robison Jatene. Ele foi secretário de planejamento ao longo de todos os quatro anos (1983/87) do primeiro mandato de Jader como governador do Pará. Nesse período estouraram alguns escândalos, resultantes do uso ou do desvio de recursos públicos, o mais famoso dos quais o “escândalo do Aurá”, mas Jatene permaneceu quedo e mudo. Não disse uma única palavra.

 

Quando Jader assumiu os ministérios da reforma agrária e da previdência social na administração Sarney, Jatene o acompanhou como secretário-geral. Continuou rouco de tanto ouvir, como seu guia e padrinho a partir de 1988, Almir Gabriel, que acompanhou na fundação do PSDB.

Jatene só começou um tatibitate anti-Jader em 1994, em função da candidatura de Almir ao governo do Estado.

 

Nada, porém, que impedisse a consumação de alianças eleitorais convenientes e oportunistas, até que Jatene se entregou completamente aos interesses da sua parceria com o grupo Liberal.

 

No seu artigo de ontem, ele fustiga as “fortunas mal explicadas e impérios construídos sobre pântanos” dos Barbalhos. Jatene teve a possibilidade de denunciar esse capítulo nebuloso e cabuloso da biografia do líder do PSDB no Pará. Jader se tornou dono da RBA em 1989, logo depois da morte do fundador da emissora, o empresário Jair Bernardino, em acidente de aviação.

 

Diz-se que a transação custou 13 milhões de dólares da época. Na verdade, custou muito pouco. Jader assumiu a dívida da televisão, que era grande com a Receita Federal e, sobretudo, com a previdência social. Sopa no mel: Jader era, naquele momento, justamente ministro da previdência social – e Jatene era o seu fiel secretário-geral.

 

As acusações contra Jader e seu modo se enriquecer misteriosamente no usufruto de cargos públicos é antiga e se renova pelo silêncio do acusado a respeito. O mutismo é estratégico, mas sobre ele incide o ditado popular de que quem cala, consente.

Ao contrário do que proclama no seu texto errático, porém, Jatene não é o outro lado da política, da ética e da moral – a servir de contraste com os malfeitos dos Barbalhos, de todos conhecidos.

 

Não é a banda sadia no saco de laranjas nem o trigo perdido no meio do joio. É político do mesmo tipo, um tipo de político, com toda sua fauna acompanhante, familiar ou de turma, que tem feito muito mal a este sofrido Pará.

Com seus atos e com tristes e pobres polêmicas como a que resultou do artigo de ontem do governador, respondido por um editorial de hoje do líder do império mal explicado da família Barbalho.

Discussão

16 comentários sobre “Jatene x Jader, os iguais

  1. É , Lucio , o teu quase silêncio em relação às denúncias da Lava Jato contra o Helder Barbalho , já era um indicativo que reagirias assim as críticas aos Barbalhos , especialmente o Jader .

    Curtir

    Publicado por Pedro Paulo | 25 de abril de 2017, 17:30
    • Antes de criticar, dê-se a um trabalho preliminar: verificar se há fundamento na sua crítica. Se voltar às postagens mais antigas, encontrará muitas sobre Helder Barbalho e a Lava-Jato, incluindo o pai, Jader. Fui eu que sustentei o desmascaramento da tese do senador de que só viu uma vez o lobista Jorge Luz, preso sob a acusação de intermediar propina da Odebrecht para políticos do PMDB. Com crítica tão dura quanto mentirosa, não se identifica aquela bruxa da história infantil, a malévola?

      Curtir

      Publicado por Lúcio Flávio Pinto | 25 de abril de 2017, 17:48
  2. Não, aí é maldade demais, Lúcio, se ele tiver que ler tudo que se refira aos Barbalho. Mas, é castigo merecido.

    Curtir

    Publicado por Pedro Pinto | 25 de abril de 2017, 18:23
  3. Você fala o que ninguém enxerga: como esperar que Jatene, um produto do próprio Jáder, seja o paladino da ética e da honestidade? A resposta está nos quase 12 anos de (des)governo do economista. Infelizmente, o Pará não consegue se libertar dessa polaridade que redunda em dois pólos iguais.

    Curtir

    Publicado por Jonathan | 25 de abril de 2017, 21:21
    • Não esqueça do PT aliado fiel do Jáder. Fioi assim que a Ana Júlia se elegeu e quebrou a sequência tucana. Se a CBF não tivesse passado a perna no Lula, a Ana teria conseguido a releição. Ela não foi reeleita porque perdeu a copa para Manaus. Simples assim..

      Curtir

      Publicado por Jose Silva | 25 de abril de 2017, 23:23
      • Você corrobora para o que eu falei. Não há outras opções além desses dois grupos. Lembre também que Ana Júlia tentou virar as costas para o Jader depois e pagou caro por isso. O senador retirou o apoio a ela em 2010 e apoiou o Jatene, ainda que veladamente (ou não tão veladamente).

        Curtir

        Publicado por Jonathan | 27 de abril de 2017, 00:10
      • Jonathan,

        No mundo democrático é a sociedade quem cria as opções…Ficar passiva esperando um redentor não parece ser uma boa alternativa. A não ser, naturalmente, para quem gosta de uma ditadura!

        Curtir

        Publicado por Jose Silva | 27 de abril de 2017, 09:43
      • Não discordo disso.

        Curtir

        Publicado por Jonathan | 27 de abril de 2017, 10:04
      • Mas eu não discordo disso.

        Curtir

        Publicado por Jonathan | 27 de abril de 2017, 10:05
  4. Alguém pensou numa CERPA geladíssima?!

    Curtir

    Publicado por Luiz Mário | 26 de abril de 2017, 10:36
  5. A verdade, verdadeira, é que o senhor não fez uma postagem decente sobre o inquérito aberto a mando do ministro Edson Fachin, do STF, para apurar o pagamento de uma propina de R$ 1,5 milhão da Odebrecht Ambiental para a campanha de Helder Barbalho ao governo do Pará em 2014. Como repórter, o senhor sequer checou se houve de fato a reunião num hotel de São Paulo de Helder, Paulo Rocha e João Salame com Mario Amaro da Silveira, da Odebrecht, quando Helder teria solicitado R$ 30 milhões. A contra-partida seria a privatização da Cosanpa se Helder tivesse sido eleito. Colocar Simão Jatene no mesmo saco de farinha de Jader Barbalho é dar razão ao velho Hélio Gueiros.

    Curtir

    Publicado por João Farias | 26 de abril de 2017, 15:14
  6. Mais ainda do governador?

    Curtir

    Publicado por Luiz Mário | 26 de abril de 2017, 17:52

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: