//
você está lendo...
Imprensa, Justiça, Política

O tsunami da Lava-Jato

A Operação Lava-Jato é como um tsunami moral, que agora desce ladeira abaixo sem resguardar ninguém. Sancionou o princípio popular de que quem, atingido por ela, for podre, que se quebre. Todos os citados devem à sociedade uma explicação.

Acabou a presunção de inocência. Todos são culpados até prova em contrário. A inversão do brocardo jurídico não vale para os processos judiciais, que precisam respeitar a letra da lei. Mas está em vigor no julgamento popular.

Aos poucos, duas entidades mantidas na sombra estão emergindo: o poder judiciário (o que é natural: seus integrantes, com a palavra final sobre os litígios e contenciosos, podem manejar a espada de Dâmocles sobre as cabeças alheias) e a imprensa.

O quarto poder começou a ser iluminado nas edições de hoje da imprensa nacional. Todos os jornais informam que delator Benedicto Júnior, ex-presidente da Odebrecht, teria entregado aos investigadores da Lava-Jato uma planilha relacionando o custeio das obras da linha 2 (de cor verde) do Metrô de São Paulo a um pagamento de dois milhões de reais para a GW Comunicação.

Um dos donos da empresa era o marqueteiro Luiz Gonzáles, responsável por campanhas eleitorais do PSDB dos tucanos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, dentre os tucanos de maior plumagem, tanto para a prefeitura quanto para o governo do Estado e a presidência da república. Eleitos seus clientes, a GW, junto com a Lua Branca, que atuavam como seus sócios, ficavam com a conta publicitária desses governos.

Um dos fundadores da GW foi o jornalista Gilnei Rampazzo (junto com Wianey Pinheiro e Woile Guimarães). Gilney é casado há 30 anos com Eliane Catanhêde, comentarista da Globo News e articulista de O Estado de S. Paulo.

Gilney atuava na GW em 2004, época referida na planilha da Odebrecht sobre o pagamento de propina, segundo o noticiário sobre a delação do dirigente da empreiteira. Ele não detalhou, porém, nem a forma e nem como os valores foram repassados à agencia. Apenas informou que foram “localizados pagamentos para a empresa GW”.

Mas um relatório produzido pela Polícia Federal a partir do mesmo material reproduz troca de e-mail entre Benedicto Júnior, Marcelo Odebrecht e Fabio Gandolfo, então diretor da Odebrecht em São Paulo.

A mensagem, de 30 de agosto de 2004, trata da programação de pagamento de R$ 2 milhões relacionados à obra da linha 2 do metrô com as expressões “comunicação=GW”, “careca=amigo PN”. Amigo PN e careca seriam a mesma pessoa: José Serra, então vizinho de Pedro Novis (PN), ex-presidente da Odebrecht.

O elo entre a GW, Gilney e Eliane ainda é muito tênue e inconsistente. Marido e mulher podem manter suas independências profissionais e ter respeito pela opinião de um e de outro. Mas a atuação de Eliane Cantanhêde na cobertura dos fatos da Lava-Jato não lhe permitem guardar silêncio sobre o assunto.

Não por lhe dizerem respeito de alguma forma, a mais indireta que seja. Mas porque é um fato relevante. Pode ser a primeira brecha aberta na barragem de contenção do noticiário sobre a participação da imprensa na enorme e densa sujeira que já enlameou políticos, empresários, executivos e técnicos.

O silêncio, neste caso, incomoda. Mais do que isso: dói.

Digo isso como jornalista, como conhecido ou amigo dos personagens envolvidos na trama e como admirador de alguns deles – ou de quase todos. Gostaria de continuar a admirá-los.

Discussão

2 comentários sobre “O tsunami da Lava-Jato

  1. A onda vai ainda arruinar muitas reputações. Mesmo que seja provada a inocência a posteriori, ninguém acreditará. O mais assustador é como todo esse sistema corrupto funcionou por tanto tempo sem ser incomodado. Somente com a deleção premiada foi possível criar mecanismos para tirar todos os esqueletos do armário. Tenho até medo do que vai aparecer quando abrirem a caixa-preta do BNDES, o principal cofrinho da coligação PT-PMDB.

    Curtir

    Publicado por Jose Silva | 25 de abril de 2017, 23:30
  2. Sociologia da Reeleição, consolidada pelo Financiamento Habitual da Corrupção. Ou seria o inverso?

    Curtir

    Publicado por Luiz Mário | 26 de abril de 2017, 10:40

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: