//
você está lendo...
Cidades, Saúde

O mau cheiro do lixão

O grupo Revita alega que foi surpreendido pelas chuvas recordes que assolaram a região metropolitana de Belém nos primeiros três meses deste ano, provocando a emissão de odor forte pela deterioração acelerada do aterro sanitário de Marituba, por ela administrado.

De fato, em três meses e 5 dias, choveu em Belém 68% da média anual de chuva. Caíram 1985 milímetros de 1º de janeiro a 5 de abril. A média anual é de aproximadamente 2922 milímetros. Mesmo que a precipitação ficasse na média, o efeito seria menor, mas não seria diferente: um forte mau cheiro. Parece que a empresa não se preparou para chuva alguma. Queria economizar o máximo possível.

Com a reação da população de Marituba, teve que rever seu plano de tratamento do lixo. Diz que já gastou 10 milhões de reais desde que, no mês passado, o governo ajuizou com uma ação civil pública contra  a Revita e suas derivadas e associadas.

Três interventores foram indicados para atuar na cogestão do lixão. Quinze dias depois. eles conseguiram identificar “avanços, principalmente na cobertura dos resíduos. A própria diminuição da intensidade do odor já pode ser percebida”, segundo relatório que encaminharam à Procuradoria Geral do Estado, que coordena sua atuação. e à justiça.

A comissão verifica se os 25 exigências feitas pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade estão sendo cumpridas. Garantem que as prioritárias, como a cobertura das lagoas de chorume, líquido formado pela decomposição do lixo, estão sendo atendidas. Das duas lagoas de chorume ainda descobertas. O chorume, o principal causador dos problemas dos moradores de Marituba, estaria diminuindo.

São boas notícias, surpreendentemente rápidas e eficientes, em contraste com a arrastada ineficiência (e mesmo má vontade) anterior. Boas e verdadeiras? A população de Marituba, em especial, mas todos os interessados no grave problema o lixo da grande Belém devem acompanhar com rigor o trabalho dos agentes externos.

Discussão

5 comentários sobre “O mau cheiro do lixão

  1. Há algum acompanhamento por instituições independentes? As universidades estão medindo alguma coisa? Se pode confiar em tais relatórios?

    Curtir

    Publicado por Jose Silva | 15 de maio de 2017, 18:57
  2. kkkkk.” monitorar a UFPA” .Candidatos (as) ,quem habilita-se …

    Curtir

    Publicado por Marly Silva | 15 de maio de 2017, 23:20
  3. A UFPA e mais precisamente a Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental , através do seu programa de pós-graduação devia , sim, abrir um Fórum de debates com amplo chamado à comunidade atingida pelo lixão de Marituba & outros lixões públicos de rua , como o escandaloso caso da Avenida Visconde de Inhaúma , para fazer um amplo e profundo apanhado da situação municipal/metropolitana , à luz do que diz a Politica Nacional de Resíduos Sólidos e das tecnologias mais apropriadas ao caso dos nossos solos , clima, chuvas etc.

    Aberta a audiência pública, todos os segmentos da própria instituição e da sociedade , poderiam tomar conhecimento objetivo da situação, dar as suas contribuições de pesquisas no debate e isso já seria um grande avanço na tomada de uma consciência critica do problema , e no encaminhamento de eixos e princípios de ação pública-governamental .
    Mas quem disse ….?

    Curtir

    Publicado por Marly Silva | 16 de maio de 2017, 22:10

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: