//
você está lendo...
Imprensa, Justiça, Política

O perigo das gravações

Andrea, irmã do senador Aécio Neves, afastado do cargo pelo ministro Edson Fachin, do STF, e sua principal auxiliar, encontra-se presa numa penitenciária em Minas Gerais. A Polícia Federal a grampeava, com autorização judicial, para produzir provas de corrupção do ex-presidente do PSDB. Uma das conversas gravadas foi a que ela teve com o jornalista Reinaldo Azevedo.

A conversa é mais do que o contato de um jornalista com sua fonte. Há certa conivência de Reinaldo com Andrea e críticas à revista Veja, que abrigava o seu concorrido blog, virulento contra o PT. Abrigava: ontem, Reinaldo rompeu o contrato que tinha com a revista, que concordou em encerrar a relação profissional. Foi reação imediata à divulgação do conteúdo da conversa (veja abaixo).

Tem razão o jornalista quando diz que Andrea – e não ele – era quem estava sendo monitorada. Sustenta que a divulgação é obra do procurador geral da república, Rodrigo Janot. O vazamento – sustenta o jornalista –seria um escândalo em qualquer país do mundo porque viola o sigilo da fonte, o que é verdade. No Brasil, o Estado autoritário não o respeita e as autoridades fazem o que querem do seu poder.

O ato de vazamento tem que ser apurado e identificado o autor da divulgação. Trata-se realmente de um crime. Mas a conversa entre Reinaldo e Andrea é um ato de interesse público – e depõe contra o jornalista. Um bom profissional da imprensa deve conversar em “off” da mesma maneira como se manifesta publicamente. Seguindo essa regra, nada pode incriminá-lo, mesmo que seja manobra ilegal.

Episódio semelhante aconteceu, em 2012, com Ricardo Boechat. Foi gravada uma conversa íntima demais e contrária à ética jornalística que ele teve com Paulo Marinho, assessor do empresário Nelson Tanure, que cresceu favorecido pelo governo Collor. Com a divulgação da fita, Boechat foi demitido de O Globo e da TV Globo.

A situação não é rara no jornalismo, infelizmente.

A CONVERSA ENTRE COM ANDREA NEVES

Andrea Neves – Agora, que está acontecendo na Veja, o que o pessoal fez…

Reinaldo Azevedo – Ah, eu vi. É nojento, nojento. Eu vi.

Andrea Neves – Assinaram todos os jornalistas e vão pegar a loucura desse cara para esquentar a maluquice contra mim.

Reinaldo Azevedo – Tanto é que logo no primeiro parágrafo, a Veja publicou no começo de abril que não sei o que, na conta de Andrea Neves. Como se o depoimento do cara endossasse isso. E ele não fala isso.

Andrea Neves – Como se agora tivesse uma coleção de contas lá fora e a minha é uma delas.

Reinaldo Azevedo – Eu vou ter de entrar nessa história porque já haviam me enchido o saco. Vou entrar evidentemente com o meu texto e não com o deles. Pergunto: essas questões que você levantou para mim, posso colocar como se fosse resposta do Aécio?

Andrea Neves – Nós mandamos agora para a Veja uma nota para botar nessa matéria.

Reinaldo Azevedo – Não quer mandar para mim também?

Andrea Neves – Mando.

NOTA DIVULGADA POR REINALDO  

Andrea Neves, Aécio Neves e perto de uma centena de outros políticos são minhas fontes.

Trechos de duas conversas que mantive com Andrea, que estava grampeada, foram tornadas públicas. Numa delas, faço uma crítica a uma reportagem da VEJA e afirmo que Rodrigo Janot é pré-candidato ao governo de Minas e que estava apurando essa informação. Em outro, falamos dos poetas Cláudio Manuel da Costa e Alvarenga Peixoto.

Fiz o que deveria fazer: pedi demissão — na verdade, mantenho um contrato com a VEJA e pedi o rompimento, com o que concordou a direção da revista.

Abaixo, segue a resposta que enviei ao BuzzFeed, que vai fazer ou já fez uma reportagem a respeito. Volto para encerrar. Mesmo!

Comecemos pelas consequências.

Pedi demissão da VEJA. Na verdade, temos um contrato, que está sendo rompido a meu pedido. E a direção da revista concordou.

1: não sou investigado;

2: a transcrição da conversa privada, entre jornalista e sua fonte, não guarda relação com o objeto da investigação;

3: tornar público esse tipo de conversa é só uma maneira de intimidar jornalistas;

4: como Andrea e Aécio são minhas fontes, achei, num primeiro momento, que pudessem fazer isso; depois, pensei que seria de tal sorte absurdo que não aconteceria;

5: mas me ocorreu em seguida: “se estimulam que se grave ilegalmente o presidente, por que não fariam isso com um jornalista que é crítico ao trabalho da patota?;

6: em qualquer democracia do mundo, a divulgação da conversa de um jornalista com sua fonte seria considerada um escândalo. Por aqui, não;

7: tratem, senhores jornalistas, de só falar bem da Lava Jato, de incensar seus comandantes;

8: Andrea estava grampeada, eu não. A divulgação dessa conversa me tem como foco, não a ela;

9: Bem, o blog está fora da VEJA. Se conseguir hospedá-lo em algum outro lugar, vocês ficarão sabendo;

10: O que se tem aí caracteriza um estado policial. Uma garantia constitucional de um indivíduo está sendo agredida por algo que nada tem a ver com a investigação;

11: e também há uma agressão a uma das garantias que tem a profissão. A menos que um crime esteja sendo cometido, o sigilo da conversa de um jornalista com sua fonte é um dos pilares do jornalismo.

Encerro. No próximo 24 de junho, meu blog completa 12 anos. Todo esse tempo, na VEJA. Foram muitos os enfrentamentos e me orgulho de todos eles. E também sou grato à revista por esses anos.

Nesse tempo, sob a direção de Eurípedes Alcântara ou de André Petry, sempre escrevi o que quis. Nunca houve interferência.

O saldo é extremamente positivo. A luta continua.

Discussão

5 comentários sobre “O perigo das gravações

  1. “A luta valida a existência”. Avante, sempre!

    Curtir

    Publicado por Luiz Mário | 24 de maio de 2017, 18:42
  2. E o ciclo continua. Jornalistas são gravados, presidentes corruptos não estão presos, manifestantes podem quebrar tudo sem reação, milionário está em NY aproveitando o dinheiro do BNDES, e todo brasileiro parece que está torcendo contra o país para que o seu quinhao seja protegido. Eta trem bão demais. Somente não sabemos onde isso vai parar. Talvez no fundo de um vale, lá na Serra do Mar.

    Curtir

    Publicado por José Silva | 24 de maio de 2017, 20:17
    • Faltou na sua lista o senador corrupto, ex-presidente de partido, que não está preso e o presidente corrupto que ainda ainda está no cargo. Tudo porque são protegidos.

      Curtir

      Publicado por Jonathan | 25 de maio de 2017, 10:41
      • Será que são protegidos? As evidências não mostram isso. As provas foram tornadas públicas semana passada e os caras (um com mandato suspenso e com a irmã presa e o outro a beira da renúncia) já estão a beira da cadeia. Enquanto isso tanto o Lula como a Dilminha contunuam por ai iludindo o povo apesar de todas as evidências. Quem será que está sendo protegido nesta história. Chamem os coreanos (do sul) para se mostrar como se faz.

        Curtir

        Publicado por Jose Silva | 25 de maio de 2017, 17:33
  3. Andreia é fonte???
    Pra mim….Reinaldo Azevedo er um porta voz dos 2 irmãos e isso tá bem claro nesse diálogo.

    Curtir

    Publicado por Norman | 26 de maio de 2017, 00:43

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: