//
você está lendo...
Cultura, Imprensa, Política

A feira – e o livro?

O Liberal lançou hoje, encartada na sua edição normal, uma revista  dedicada à XXI Feira Pan-Amazônica do Livro, realização da Secretaria de Cultura do Estado, que começa hoje à noite. São 68 páginas, com seis de anúncios, dos quais quatro são do governo estadual. É uma edição oficiosa, com três fotos do secretário Paulo Chaves Fernandes e uma do governador Simão Jatene. Quanto custou ao erário?

Por ser edição chapa branca, nada questiona sobre a feira, com invejáveis 21 anos de existência. Quanto a Secult gasta com a vinda de personalidades para debates, sessão de autógrafos e outros mimos, que realmente atraem participantes, mas nem sempre são o melhor caminho para servir aos verdadeiros leitores de livros?

Apesar da informação de que havia mais livrarias interessadas em participar do que as vagas existentes, criando um excedente de comércio, os espaços são caros e a distribuição e partilha dos estandes, feitos por uma entidade externa, afastam as pequenas editoras e os distribuidores autônomos.

Em nada contribuem para as promoções de preços e ofertas de títulos para o público mais exigente. O mercado é formado mais por pontas de estoque e quinquilharias para crianças e adolescentes do que por livros difíceis de encontrar no circuito comercial. Quem realmente quer fazer boas compras precisa trabalhar como um garimpeiro sobre uma montanha de rejeito de cascalho.

Discussão

6 comentários sobre “A feira – e o livro?

  1. E a feira do livro continua assim? A idéia é boa, mas a execução nem tanto. Infelizmente predominam os livros religiosos, de auto-ajuda e as quinquilharias de sempre. Lúcio, talvez seja isso que a população queira, não?

    Para os que procuram livros bons, a melhor alternativa é ainda o website da Livraria Cultura ou da Amazon.

    Curtir

    Publicado por Jose Silva | 26 de maio de 2017, 15:25
    • Ano passado fui em busca do livro “Em Liberdade”, de Sílviano Santiago. Vasculhei em várias livrarias e nada. O ponto interessante foi a presença da Editora 34, porém, os preços não eram nada agradáveis. Até mais caros que em editoras comuns.

      Curtir

      Publicado por Jonathan | 26 de maio de 2017, 16:57
  2. P/ mim ela a feira é um retrato muito particular nosso. Restos de abandono e alheamento em que nos tornamos. Reflexo ainda de nosso estágio sistema educacional.

    Curtir

    Publicado por Amélia Oliveira | 27 de maio de 2017, 07:18
  3. A Feira é uma mentira. Pan Amazônica? Imagina. Se um empreendedor aluga o Hangar, subloca espaços para livrarias e editoras, chama alguns músicos e autores nacionais e ganha percentual sobre o que for vendido, o problema é dele. Mas quando o Estado promove, precisa ser o ápice de um programa que levou o ano inteiro correndo cidades polo do Estado, levando autores e seus livros, relançando obras esgotadas e lançando novos autores. Assim, ao final do ano (e não no primeiro semestre para não prejudicar o Festival de Ópera), a Feira seria a conclusão do trabalho, em prol da literatura que se faz no Estado e claro, chamando alguns autores nacionais para abrilhantar a festa. Como se faz, é uma mentira há mais de vinte anos.

    Curtir

    Publicado por Edyr Augusto | 29 de maio de 2017, 16:23
  4. Uma festa da incompetência misturada com a prepotência e orgulho de cretinos.

    Curtir

    Publicado por Edyr Augusto | 29 de maio de 2017, 16:24
  5. A situação dos livros e da qualidade dos mesmo tem caído bastante. O Memoria do Cotidiano tem falado que antes tinha um número maior de livrarias, lembrando da universidade de francesa que se arrependeu de se desfazer de seu material impresso e em uma palestra sobre Haroldo Maranhão surgiu o questionamento sobre o fim dos cadernos literários. Há diversos debates sobre sobre o livro hoje que culminam na influencia da cultura digital e comportamento das novas editoras no mercado. Toda essa conversa pode cair na qualidade dos produtos oferecidos em eventos como a Feira do Livro. Ainda que esses textos tragam como foco as livrarias e seus produtos os textos ajudam no entendimento do que tudo isso gera. (São textos que a Paloma Fraca Amorim compartilhou)

    Circulação do livro e estreitamento da literatura
    http://opalcoeomundo.blogspot.com.br/2017/03/circulacao-do-livro-e-estreitamento-da.html

    Crise nas livrarias: Insistindo no erro até encontrar o fracasso
    http://www.publishnews.com.br/materias/2017/03/02/crise-nas-livrarias-insistindo-no-erro-ate-encontrar-o-fracasso

    Curtir

    Publicado por Fabrício | 23 de agosto de 2017, 15:44

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: