//
você está lendo...
Justiça, Política

O erro do MPF

Não ajudou em nada a causa do combate à corrupção, que lidera no aparato oficial, o Ministério Público Federal pedir, em uníssono, aumento de 16,7% para os seus procuradores. O reajuste acrescentaria 116 milhões de reais à folha mensal de pessoal, numa instituição com orçamento de 3,8 bilhões de reais. O mais temerário é que o salário médio superior deles (de mais de R$ 20 mil para início de carreira) ultrapassaria os R$ 33,7 mil de um ministro do Supremo Tribunal, que é o teto para o serviço público federal.

O STF não aprovou qualquer aumento para seus integrantes. Com isso, fechou a porta da legalidade para o reajuste no MPF, aprovado tanto pelo chefe que sai como pela que entra, mais todo conselho nacional. E abriu as torneiras de manifestações de protesto da sociedade, arrochada por salário que não cresce (e ainda diminui) e falta de emprego. As cíticas, elevando o tom, começaram a fustigar os excessos dos procuradores da Operação Lava-Jato e derivadas, servindo de arrimo para as decisões das cortes que parecem iniciar o refluxo de restrição e desaprovação ao fluxo de apoio majoritário à ação da força-tarefa de Curitiba e de outras capitais por onde ela se desdobrou.

Erros e abusos têm sido cometidos, mas podem ser corrigidos sem desviar a linha de conduta da Lava-Jato, que vai aos extremos limítrofes da lei para processar, sentenciar e mandar para a cadeia alguns dos colarinhos mais brancos da elite nacional, geralmente não só inimputável como impune e imune. A iniciativa de pedir mais salário, mesmo que viesse a ser justa, nem foi oportuna nem com a necessidade tão premente que levasse os procuradores a se expor à reprovação da opinião pública nacional.

Foi o mais grave erro que já cometeram. Podem pagar muito caro por isso. mais nós do que eles.

Discussão

4 comentários sobre “O erro do MPF

  1. Não sou do ramo mas conheço um pouco do que acontece nos bastidores, mais especificamente em suas reuniões festivas. As conversas giram em torno de recentes e frequentes viagens a Disneylândia, Miami, Caribe… Nada contra diversões, busca de novos horizontes culturais juntamente com seus familiares, no entanto, a situação brasileira leva à tentação e em seguida à ação de fixar residência por lá. Mais uma vez nada contra o direito de ir e vir mas esses fatores associados a uma vida de alto luxo aqui e acolá, acabam “criando” necessidades de salários incompatíveis com a realidade nacional.
    Quanto ao exemplo que deveriam passar para a sociedade… ora bolas… às favas…

    Curtir

    Publicado por Fernando | 2 de agosto de 2017, 14:13
  2. Lúcio,

    Concordo com você. Fizeram um pedido inadequado em um momento inadequado para o país. O quarto poder deveria ter dado o exemplo que os outros poderes insistem em não dar.

    Curtir

    Publicado por Jose Silva | 2 de agosto de 2017, 17:49
  3. Por isso já sabemos do resultado da votação na câmara hoje! Faço o que eu digo, mas não faça o que faço!

    Curtir

    Publicado por Everaldo | 2 de agosto de 2017, 18:29
  4. “Erro” calculado? Seria a ciência a serviço do crime?

    Curtir

    Publicado por Luiz Mário | 2 de agosto de 2017, 18:39

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: