//
você está lendo...
Estradas, Estrangeiros, Grandes Projetos, Política, Transporte

O cavalo da China

O maior projeto concebido pelo governo Simão Jatene, ao longo dos seus 11 anos de duração, ainda não foi executado. É a Ferrovia Paraense, projetada para ter 1,3 mil quilômetros de extensão e custar 14 bilhões de reais. Desviaria para Barcarena um fluxo de carga que poderia chegar a 100 milhões de toneladas, de tamanho equivalente ao da ferrovia de Carajás, construída pela Vale, evitando que ela seguisse para o Maranhão ou para o sul do país.

Se essa obra sair, ela será chinesa. O governo paraense, que vinha conduzindo a ideia, delegou-a completamente a um grupo empresarial do setor ferroviário e um fundo financeiro, ambos da China. Eles estão autorizados a fazer o que quiserem, inclusive sentar sobre a ferrovia.

Uma semana depois que o governador assinou um memorando de entendimento com os novos parceiros, na embaixada da China, em Brasília, no dia 6, o documento foi publicado na edição de hoje do Diário Oficial do Estado.

Para uma obra desse porte, era de se esperar que o governo divulgasse a íntegra do memorial de entendimento, para pleno conhecimento e debate da sociedade paraense. Mas o que saiu foi um raquítico extrato dos documentos relativos à China Railway Nº 10 Engeneering Group e à CCCC South America Regional S. A. R. L..

O objeto do entendimento é “o esforço comum entre os signatários para a implementação de projetos de desenvolvimento de infraestrutura logística, comercial e industrial, com agregação de valores à Economia do Pará e, consequentemente, do Brasil, mormente com a construção e operação da Ferrovia Paraense”.

Ou seja: o governo privatizou não apenas a obra. Foi além: privatizou a função pública de planejamento e gestão da ferrovia e do que mais os chineses entenderem de incluir no seu escopo.

Por quanto tempo? O extrato diz que o memorando entrou em vigência na data da sua assinatura, “permanecendo em vigor até o seu fiel cumprimento, salvo a ocorrência do disposto na Cláusula Oitava ou Nona”.

Quais são essas ressalvas? O cidadão paraense não saberá. Por isso mesmo, o memorando não foi publicado. Talvez porque seus subscritores têm a plena consciência de que é usurpação de função pública por ente privado e um cheque em branco para os chineses.

Se ainda existe Ministério Público e Assembleia Legislativa no Pará, esses dois órgãos, para manter o equilíbrio institucional no Pará, precisam obrigar o chefe do poder executivo a oficializar a íntegra desse perigoso memorial de entendimento. Ele pode ter cometido um ato de lesa-Estado, que não pode prosperar, sem que a sociedade se manifeste – diretamente ou por suas entidades representativas.

Parece que o governador Simão Jatene deixou para o seu final de mandato a maior e mais grave iniciativa. Algo como um presente de grego para os troianos sitiados em sua cidadela pela insegurança pública, um dos maiores legados da administração do PSDB no Pará.

Discussão

7 comentários sobre “O cavalo da China

  1. Como não consegui fazer o que planejou, está tentando criar um fato político para eleger o seu candidato à sucessão. Velho jogo de cena para enganar os eleitores. Se investigar bem, muito bem, toda esta papelada e promessas de investimento não possuem lastro. Chinês não é bobo.

    Curtir

    Publicado por José Silva | 14 de dezembro de 2017, 20:40
  2. Negócio de pescador. Vergonha! Almir Gabriel treme em seu túmulo de amarguras com o poste que inventou.

    Curtir

    Publicado por JAB Viana | 15 de dezembro de 2017, 01:03
  3. Não discordo, mas ele nunca imaginou que seu poste fosse tão vazio como uma bolha de vácuo, sabendo no entanto usufruir das benesses do poder usando algumas frases feitas que bolou para dar um aspecto de competência e honestidade em sua gestão. Almir se omitiu e fez escolhas erradas, deixou acontecer o que dizia combater. Magoou e decepcionou aqueles que acreditavam nele como sanitarista, médico e quadro emplumado dos melhores tucanos. Mas era um homem de obras, de ação e não de lari-lari como seus bajuladores e postes. Não repousou em paz e seu poste até hoje não providenciou homenageá-lo dando nome a alguma avenida importante em Belém.
    Já que detonaram com a 25 de Setembro e com a 1º de Dezembro, homenageando quem nunca fez uma obra em favor dos Paraeses( prefiro ao gentílico Paraense), poderia através de seus escudeiros e de Zeraldo na Câmara de Vereadores da Capital, mudar o nome da Almirante Barroso, nome do nobre que participou da repressão à Cabanagem, quando morreram mais de 1/3 da população chacinada pelas forças do império, e nada fez ao Pará., passando a chamá-la de Av. Almir Gabriel. O Barroso poderia ser um simples busto em alguma esquina do bairro da Campina, para lembrarmos dos carrascos da Cabanagem.

    Curtir

    Publicado por JAB Viana | 15 de dezembro de 2017, 15:09
  4. Proponho uma revisão das homenagens feitas através de ruas, avenidas e praças públicas. Pessoas ilustres e milionários que querem ser nome de logradouros, poderiam doar espaços ao município como praças e exigir em troca a homenagem. Exemplo, aquele terreno onde funcionou a Cata e agregou o igapó com a obra do portal, poderia ser doado à cidade e receber o nome de seu proprietário, com esculturas e tudo o mais que lembrem os notáveis admirados pelos doadores e que mereçam a louvação.

    Curtir

    Publicado por JAB Viana | 16 de dezembro de 2017, 08:41
  5. Agora que o poste foi ingrato com seu criador, foi!

    Curtir

    Publicado por JAB Viana | 16 de dezembro de 2017, 08:42

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: