//
você está lendo...
Política

Palavra de Jatene

Reproduzo, a seguir,. a mensagem que o governador Simão Jatene postou no seu Facebook, comunicando sua decisão de não se desincompatibilizar para concorrer a uma das duas vagas do Senado que estarão em disputa em outubro.

Alega que, ao decidir permanecer até o final do terceiro mandato que o povo paraense lhe conferiu, tornando-o o político mais vezes eleito governador (e o que por mais tempo permaneceu no cargo, completando 12 anos no final de 2018, dos quais oito anos seguidos), colocou de lado os projetos pessoais ou familiares, como já fizera em 2006, “mesmo podendo ser candidato à reeleição”.

Não exatamente. Em 2006, Jatene teve que recuar para não ser atropelado por Almir Gabriel. Seu padrinho e antecessor, sem o qual, no uso da máquina pública, seria praticamente impossível se eleger para qualquer coisa (ocupava então a figura do poste eleitoral), se lançou ao cargo sem consultar Jatene, que só soube da candidatura do correligionário tucano através da imprensa.

Almir agiu dessa maneira por achar que Jatene o traíra, entendo-se secretamente com Jader Barbalho (o que Almir viria a fazer depois, invertendo os papeis na política paroquial destituída da espinha moral da ética e da moral). Jader usou seu poder para ajudar Ana Júlia Carepa a se eleger pelo PT. É uma das suas muitas dívidas para com o Pará.

Os planos originais de Jatene para este ano previam a sua candidatura ao Senado e da filha, a bi-secretária extraordinária, Izabela, a deputada federal. O governador teve que mais uma vez mudar seus planos porque seu vice, Zequinha Marinho, se recusou a renunciar junto com Jatene.

Só lhe restou permanecer até o fim, como fez em 2006. Por um fator óbvio: o candidato de Zequinha nunca foi seu companheiro de chapa, que o isolara e desprezara; e sem a máquina estadual, Jatene dificilmente se elegeria senador, para ser otimista.

O resto é retórica tucana.

Segue-se a comunicação do governador.

Em respeito e gratidão a todos os paraenses, venho até este espaço para informar minha decisão de continuar à frente do executivo estadual, cumprindo até o final, se assim Deus o permitir, o honroso mandato de governador do Estado que nos foi conferido por três vezes pela maioria da nossa população.

Sempre acreditei e defendi que os interesses coletivos devem se impor aos projetos pessoais ou familiares, particularmente na atividade política, e já dei demonstração disso quando, em 2006, mesmo podendo ser candidato à reeleição, me mantive no cargo até o final do mandato. Ainda que não desconheça que tal comportamento pode surpreender e até incomodar a quem pensa diferente, continuo acreditando no nosso Estado, na nossa gente e em uma forma diferente de fazer política.

Àqueles que divulgaram que eu estaria disposto, a qualquer custo ou preço, a deixar o cargo para não ficar sem mandato e oportunizar a candidatura de membro da minha família, espero, nessa oportunidade, contribuir para que revejam seus conceitos, inclusive sobre política e políticos.

Ao grande número de pessoas que nos incentivaram e defenderam a nossa desincompatibilização, argumentando a importância de continuarmos contribuindo na vida pública, agradeço profundamente as avaliações generosas. Mas entendo que, diante das atuais circunstâncias, a melhor forma de contribuir com o Estado é permanecer no cargo e lutar para que o Pará não retroceda, mesmo que isso nos impeça de concorrer nas próximas eleições.

Aos amigos, que da mesma forma e, às vezes, com argumentos bem mais contundentes, sempre defenderam a importância de concorrer à novo mandato, até como mecanismo de proteção, face a falta de princípios e limites de alguns adversários, a minha eterna confiança de que, se quanto à justiça nada temos a temer, quanto à essa gente só Deus e o voto popular podem proteger.

Aos paraenses, minha permanente gratidão e compromisso com nosso Estado na certeza de que, mais uma vez, juntos, independentemente de diferenças, continuaremos protegendo o Pará de mãos e corações inescrupulosos, que tanto mal já fizeram ao nosso Estado na busca de saciar sua desmedida fome de riqueza e poder.

Que Deus nos dê sabedoria e nos ilumine nesses tempos estranhos e difíceis para o nosso Brasil.

Discussão

6 comentários sobre “Palavra de Jatene

  1. O responsável por isso foi o barbalhinho e sua família louca para fazer mais dinheiro e poder. Teve de ser Jatene, para escapar dos barbalho em 2014, os maiores “fidalgos” da história do estado naquele quesito que levou a cúpula do PT para a cadeia. Ô gente com capacidade de enriquecer na política, só na política enganando os trouxas (para não dizer outra coisa).
    Mas chega de cair na fossa para escapar do esgoto. Jatene nunca mais (nem em quem indicar!!!!!!). Barbalho nunca foi nem nunca será hipótese. Não há em quem confiar o voto. Não tem candidato honesto. Lavo minhas mãos como eleitor, e vamos continuar na mesma m*. Não há quem preste. Meu voto é para a Lava-Jato e que a Cerpasa um dia ainda arraste tudo em uma golada.

    Curtir

    Publicado por Anônimo | 13 de abril de 2018, 18:06
  2. Melhor que saia, tranque a porta e jogue a chave fora.

    Curtir

    Publicado por Romualdo | 13 de abril de 2018, 18:15

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: