//
você está lendo...
Polícia

Advogado de bandido

A justiça de São Paulo condenou o ex-vice.presidente do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Huma,a, Luiz Carlos dos Santos, juntamente com outras quatro pessoas, por integrarem a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). A pena aplicada foi de 16 anos e 5 meses de prisão mais pagamento de multa.

O Ministério Público apurou que desde 2014 detentos da penitenciária de segurança máxima de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, cooptaram advogados, com os quais formaram uma célula jurídica da organização.

Inicialmente ela apenas prestava serviços jurídicos aos líderes do PCC. Posteriormente também passou a servir de meio de comunicação das atividades criminosas entre os líderes da facção presos e os de fora do sistema prisional. E comandar um esquema de pagamentos de propinas a agentes públicos ou integrantes do Condepe.

O vice-presidente do conselho estadual recebia cinco mil reais por mês para “plantar” denúncias de violação de direitos humanos “com o intuito de gerar desestabilização na segurança do estado de São Paulo. Ele tinha também a função de obter informações privilegiadas dentro do conselho e repassá-las ao PCC”.

O grupo prestava outros serviços, como movimentar dinheiro do crime organizado em suas contas bancárias. O mais grave, porém, era que esses advogados ajudavam a criar um banco de dados com os nomes e endereços de agentes penitenciários e de seus parentes. “Essas pessoas poderiam ser mortas quando a facção julgasse necessário”, informa a notícia do G1, de O Globo.

A pergunta que não foi feita: quantas pessoas morreram por causa dessas informações? Ninguém suspeitou antes do papel espúrio de um advogado que atuava como defensor dos direitos humanos, a serviço de criminosos de alta periculosidade? O episódio vai levar a uma revisão crítica dessa atividade?

Discussão

3 comentários sobre “Advogado de bandido

  1. Me perdoe, mas o facto de serem advogados é algo irrelevante. São partícipes de uma organização criminosa.

    Caso fossem jornalistas, seriam igualmente bandidos.

    Curtir

    Publicado por Ariramba | 28 de novembro de 2018, 18:02
  2. Lúcio, a resposta para tuas perguntas, talvez retóricas, é: não! Se depender da casta mais privilegiada nesse país, a jurídica, nada mudará. É um caso insolado! A grande maioria das pessoas que perlustram os bancos das faculdades de Direito já saem corrompidas. A desgraça aumenta logo quando os bacharéis se sujeitam a um exame coercitivo, OAB, que só não é mais cínico porque é mais imoral. Esse exame, OAB, que é um tremendo escárnio a inteligencia humana, foi entendido pelo poderoso e inalcançável STF como necessário para o bem maior da nação, pois é dessa maneira, no entender da suprema corte, que os desprotegidos brasileiros terão acesso a profissionais de alto gabarito.
    A OAB não se sente aquilo que na teoria é, uma entidade de classe, se sente e age como se fosse um quarto poder, o moderador. A OAB apresenta-se para os três poderes constituído e para a sociedade como algo que paira sobre o estado e seus derivados como uma entidade que é essencial, necessária e intocável.
    Essa é a fatia da sociedade que está acima da lei. Dizem na cara dos brasileiros, se tirarem o auxilio moradia, tem que aumentar os nossos salários! É do bacharel corporativista por conveniência que chegamos ao advogado delinquente, evoluindo para o juiz inescrupuloso. É assim que se forma um STF e afins. Esse topete precisa ser quebrado com a máxima urgência.

    Curtir

    Publicado por Diniz | 3 de dezembro de 2018, 20:33

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: