//
você está lendo...
Ecologia, Economia, Estrangeiros, Justiça, Minério, Multinacionais

O futuro da Alunorte

Depende agora apenas da justiça federal a retomada da plena produção da Alunorte, a maior fábrica de alumina do mundo, instalada em Barcarena. Com capacidade para 6,4 milhões de toneladas, a empresa produziu apenas 3,7 milhões de toneladas no ano passado. Em abril de 2018, a subsidiária da Hydro foi punida com a redução de 50% da sua produção, acusada de ter poluído as drenagens da região durante chuvas intensas em fevereiro.

Como efeito cascata, a redução foi a mesma na Albras, que produz alumínio, e na Mineração Paragominas, que extrai bauxita, integrantes de um dos maiores polos de alumínio do mundo, sob o controle da multinacional norueguesa.

No dia 12 do mês passado, a Alunorte e o Ministério Público Federal, acompanhados pela Procuradoria Geral do Estado, submeteram à justiça uma petição conjunta para a retirada dos embargos sobre a produção. A iniciativa se baseou em parecer da consultoria de engenharia independente Rambøll sobre a capacidade de a Alunorte retomar as operações com segurança.

Segundo a Hydro, a Rambøll foi contratada em nome do Ministério Público para conduzir uma avaliação de dois relatórios independentes da secretaria estadual de meio ambiente, a Semas, e da Universidade Federal de Campina Grande. “Ambos relatórios concluíram que a Alunorte pode retomar com segurança as operações”, garante a empresa.

“Os embargos de produção e do uso da recém-desenvolvida área de depósito de resíduos sólidos de bauxita (DRS2) permanecem em vigor e o tempo de retomada das operações normais permanece incerto”, acrescenta.

A Alunorte declara que “está cumprindo devidamente” os compromissos firmados no Termo de Ajustamento de Conduta, o TAC, firmado com o Ministério Público (estadual e federal) e o governo do Estado, representado pela Semas.

“Estudos internos e externos, incluindo inspeções das autoridades, confirmaram que não houve transbordo ou vazamento dos Depósitos de Resíduos de Bauxita da Alunorte ou vazamentos durante as chuvas extremas de fevereiro de 2018”, sustenta ainda a empresa.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: