//
você está lendo...
Agricultura, Índios, Colonização, Ecologia, Floresta

O Xingu sagrado (e massacrado)

O vale do rio Xingu ocupa 18 milhões dos 90 milhões de hectares de Mato Grosso, ou 20% do terceiro maior Estado brasileiro. Mais de 6 milhões de hectares de florestas situadas nesse área. É quase um terço da extensão do vale do Xingu, o 60º maior rio do planeta. Equivale a 40 vezes o tamanho do município de São Paulo, o mais rico e mais densamente habitado do país – e uma das áreas com maior problemas ambientais.

O que resta de floresta nativa densa no norte de Mato Grosso se concentra na maior propriedade contínua da região. É o território indígena, criado no efêmero governo de Jânio Quadros, por influência do antropólogo Darcy Ribeiro. Quem circular pelas bordas da antiga reserva, palco do romance Quarup, escrito há meio século pelo jornalista Antônio Callado (retrato preciso – mesmo ficcional – do Brasil da época), vai encontrar só desmatamento. Onde havia floresta, campos de soja a perder de vista e de capim, à espera dos bois que os fazendeiros prometeram trazer, desde meados dos anos 1960.

O alimento rasteiro plantado no lugar de árvores centenários, com até 40 ou 50 metros de altura, para o rebanho que jamais chegou, é a braquiária, tão feroz sobre o solo que raramente permite o crescimento de concorrentes. Empobrece organicamente a terra e enfeia a paisagem. Desde uma década atrás essa sujeira está sendo limpa pelos índios xinguanos. Assustados e indignados pelo avanço de exércitos de colonizadores que derrubam a origem mitológica de suas vidas e suas fontes de sobrevivência, eles começaram a recompor a floresta.

Um dos capítulos dessa luta apareceu na edição de hoje do Globo Rural, o melhor programa (para mim, claro) da TV Globo. Ele aborda o movimento das mulheres yarung pela recuperação e incremento da geração de sementes da floresta ameaçada. O centro desse processo é o banco de sementes da reserva ykpeng. Há dois anos a atividade recebe recursos do Fundo Amazônia, cujo principal financiador é o governo da Noruega, com apoio técnico do ISA (Instituto Socioambiental), de São Paulo.

As coisas parecem estar dando certo. As mulheres do movimento recebem 90% da receita da venda das sementes em Canarana, a cidade mais importante (sede urbana do desmatamento também), que fica a 10 horas de viagem por água e terra. Os 10% restantes ficam na sede do projeto. Parte das sementes fica no local para o renascimento das árvores. A semente do piqui não é comercializada porque alimenta e tem valor simbólico para os índios. Eles trabalham animados e aparentam satisfação.

OL governo antiecológico de Bolsonaro poderia pagar a pena dos seus muitos e precoces pecados contra a natureza e os índios comprando os direitos de reprodução de programas como esse e distribuí-los para distribuição nas escolas públicas. Essas imagens valem mais do que mil palavras, contra ou a favor do programa, como repetiu o presidente aqui em Belém, na quinta-feira. Provoca o desenvolvimento do bem mais precioso do ser humano, que continua a resistir às ondas de absurdos e irracionalismo: a inteligência aplicada à arte de pensar usando cada um a sua própria cabeça. Sem barulho e truculência.

Discussão

5 comentários sobre “O Xingu sagrado (e massacrado)

  1. A preservação dos vales dos grandes rios, e pequenos também, é preocupante e deve merecer mais barulho que que tudo o que rola sobre outros problemas do Brasil. Aí, realmente está a sobrevivência do País e nunca foi encarado como prioridade pelos governos de todo o tempo de nossa República. O assunto é tratado como problema do quintal do Brasil.

    Curtir

    Publicado por Jab | 16 de junho de 2019, 21:26
  2. Brachiaria humidícula é o capim quicuio, que se adapta bem a solos de baixa fertilidade.

    Parece uma “grama japonesa” tamanho família. Verde por cima; por baixo, um emaranhado de palha seca, ótimo para a proliferação de cobras.

    Pelo que sei, o capim quicuio não é apropriado para bovinos. Ele serve mais para cavalos e ovelhas.

    Se plantaram pra boi… só podia dar errado, mesmo.

    Curtir

    Publicado por Elias Granhen Tavares | 17 de junho de 2019, 15:37
    • Nesse mundo, caro Elias, tudo é possível. O Jair Bernardino desmatou sete mil hectares de floresta em São Félix do Xingu, plantou capim e não colocou uma única cabeça de gado no pasto. Era só para justificar a posse de 35 mil hectares que ocupou. Usou o capim mais apropriado ao seu objetivo, que era criar suposta benfeitoria para permitir a permuta dessa área pela que tinha na área do reservatório da hidrelétrica de Tuuruí.

      Curtir

      Publicado por Lúcio Flávio Pinto | 17 de junho de 2019, 17:05
  3. importantíssimo este artigo e as sugestões que o acompanham.

    Curtir

    Publicado por Cecília H. O. Renner | 3 de setembro de 2019, 22:43

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: