//
você está lendo...
Cultura

João

A vila Letícia, na Ó de Almeida, entre Benjamin Constant e Rui Barbosa, no nosso Greenwich Village, o bairro do Reduto, era o nosso bunker cultural, social e esportivo, nos anos 1960. Foi lá que Waldemar, Palmério e eu ouvimos, juntos (e depois com o Ronald Pastor, o José Otávio e outros grandes amigos mais), pela primeira vez, o disco Chega de Saudade.

A dica foi dada pelo cantor francês Sacha Distel. Entrevistado ao chegar ao aeroporto de Galeão, ele citou como grande artista João Gilberto. Ouvi-lo foi paixão à primeira nota, das milhares que ele nos proporcionou ao longo dos quase 60 anos seguintes com que nos presentou, algumas das músicas feitas de forma singela, numa simplicidade que se metamorfoseava a cada nova interpretação, ou numa única, quando não era feita de uma nota só.

Tudo passou a ser bossa nova na nossa vida, até mesmo um clubezinho privé do qual participei, com outra turma, numa das belas casas antigas que soçobraram na avenida Padre Eutíquio, ao lado do shopping. Começamos bem cedo a surfar numa onda revolucionária, guiados por uma das melhores gerações que o Brasil já forjou, embalada pelo otimismo de JK (pelo qual pagamos tão caro, até hoje, inclusive com a monstruosa dívida da previdência social) e as promessas de ventos fortes de mudança com o boa praça – e desastrado – João Goulart.

Otimismo, esperança, fé e utopia que murcharam e agora, neste fim de tarde desigual neste imenso país chamado Brasil, nos leva junto com João Gilberto – de mansinho e para sempre.

____________

Pelos próximos dias, em viagem, será difícil acessar o blog. Mas tentarei.

Discussão

6 comentários sobre “João

  1. Nossa geração teve o previlégio em participar e viver deste momento de glória da música brasileira!!!
    “ Chega de Saudade!🎼🎼🎼🎼

    Curtir

    Publicado por Fernando Pereira | 6 de julho de 2019, 18:45
  2. sem máscaras nem rancor, este texto é poesia social a soar como a música em prosa pelo grito desta jornalista mulher

    EU + UM + UM + UM+
    A responsabilidade de cada um na luta contra a destruição do Brasil

    ELIANE BRUM

    EU + UM + UM + UM+ O “mártir” governa
    EU + UM + UM + UM+ Cem dias sob o domínio dos perversos
    EU + UM + UM + UM+ Bolsonaro manda festejar o crime
    Aprendi com o poeta Elio Alves da Silva. Ele era pescador, mas a hidrelétrica de Belo Monte roubou-lhe o rio. Como pesca o pescador sem rio? Poderíamos estender a pergunta. Como pesquisa o estudante sem bolsa? Como ensina o professor sem condições de trabalho? Como se mantém a universidade sem recursos? Como vive no presente o trabalhador sem perspectiva de futuro por um projeto de previdência que pune os mais pobres? Como os povos da floresta protegem a Amazônia quando o ministro contra o Meio Ambiente destrói o sistema de proteção para arrancar lucro privado de terras públicas? Como se protege a paz quando o antipresidente do país arma uma parte da população para a guerra? Como se salvam os mais frágeis quando Jair Bolsonaro autoriza o assassinato sem punição? Como se defendem os cidadãos quando o grupo no poder estimula o ódio e a divisão do país como estratégia? Como comem as pessoas se o ministério da Agricultura é liderado pela “musa do veneno” e o governo libera, literalmente, quase um novo agrotóxico por dia que vai envenenar nosso corpo e o de nossas crianças? Como vivem os brasileiros diante do desafio da crise climática quando o governo nega a ameaça apontada pelos principais cientistas do mundo, para justificar o avanço de poucos sobre a Amazônia de todos? Como os pais protegem o acesso à educação e à cultura quando os filhos do antipresidente se comportam como “garotos” maus e disseminam informações falsas e burrice calculada? Como os mais pobres podem viver sem a garantia de aumento real do salário mínimo? Como se mantêm vivos aqueles que dependem da saúde pública se o governo vai arruinando as políticas de saúde pública? Como fazem para não morrer aqueles que podem ser vítimas dos matadores absolvidos por estarem “sob forte emoção”, como quer o projeto anticrime que é a favor do crime? Como os brasileiros defendem o Brasil do grupo que em menos de cinco meses destruiu direitos e sistemas de proteção construídos por décadas e ainda há 1326 dias pela frente?

    Se você só conta como um, para o governa você não conta

    Elio, o pescador sem rio, me explicou. “Eu, sozinho, não consigo nada. Mas, se eu for ali e chamar mais um, vai ser eu+um. Aí, esse um chama +um. E aí já é eu+um+um…” E, para ter certeza de que foi bem escutado: “Entendeu?”.

    Mais tarde, eu leria uma conversa entre o sociólogo polonês Zygmunt Bauman e o jornalista italiano Ezio Mauro, publicada em livro. A certa altura, eles falam do cidadão que “só conta como um”. E portanto não conta. “Ele não compreende que, no momento em que sua liberdade se torna assunto privado e ele começa a exercer seus direitos somente como indivíduo, no momento em que liberdade e direitos são ambos incapazes (de construir) qualquer projeto com os outros, ambos se tornam irrelevantes aos olhos do poder, já que perderam sua capacidade de por o que quer que seja em movimento”, diz Mauro. “O Estado sabe que estou estatisticamente presente, mas também sabe que eu só conto como um e não tenho capacidade de me somar aos outros.”

    O poeta oral, já que analfabeto da escrita, e dois pensadores reconhecidos do mundo acadêmico, com vários livros publicados, chegaram à mesma conclusão por caminhos diferentes. Usaram a filosofia, esse exercício intelectual que parece tanto ameaçar Jair Bolsonaro. E que ameaça porque trata de perguntas e só pode existir na honestidade, ameaça porque não teme as respostas que produzem novas perguntas, ameaça porque persegue as dúvidas e as ama porque elas levam a lugares novos. A filosofia, que o antipresidente tanto teme, e por temer quer acabar com ela junto com todas as humanidades, é maravilhosa porque nos alarga por dentro. Porque nos deixa mais inteligentes e atentos, porque nos ensina a enxergar o que vemos. E está ao alcance de todos os homens e mulheres de coragem. Como Elio, como Zygmunt. E deve estar nas escolas e nas universidades, porque é a linha que costura todos os outros campos do conhecimento.

    Não dá para terceirizar luta e posição na vida

    Desculpa, mas não há desculpa. Não basta você ficar no sofá tuitando ou feicibucando enquanto os direitos são apagados e o autoritarismo se instala no Brasil. Não dá para terceirizar luta e posição na vida. O problema também é seu. O que está em curso não acaba em quatro anos. O que se destrói hoje levou décadas para ser construído. As consequências são rápidas, algumas imediatas. Destroem primeiro os mais frágeis, depois (quase) todos. E, a não ser que você concorde com o que o presidente contra o Brasil está fazendo em seu nome, é com você ser +um e chamar +um.

    Sabe por que é com você? Quem explica é uma filósofa, essa categoria que faz os bolsocrentes tremerem de medo. Sim, eles têm um guru que se autoproclama filósofo, mas ele literalmente fala “bosta” e “merda”. Podemos questionar filosoficamente o porquê dessa obsessão, mas temos questões mais importantes no momento. A alemã Hannah Arendt descreveu muito bem algo que também foi abordado por outros pensadores respeitados e que se chama “responsabilidade coletiva”. Ela explica que somos coletivamente responsáveis pelo que é feito em nosso nome. No passado, mas podemos dizer que também no presente.

    Se você aceita os benefícios de viver em comunidade, precisa aceitar também a responsabilidade de viver em comunidade

    Mesmo que você não tenha votado em Jair Bolsonaro, ele foi eleito pelo voto. Isso significa que o que ele faz no poder é da responsabilidade de todos. Significa também que, quando o governante se comporta como déspota, os cidadãos precisam dizer coletivamente que não aceitam o que é feito em seu nome. Isso é tão parte da democracia quanto aceitar o resultado das urnas. E isso não pode ser terceirizado. Se você aceita os benefícios de viver em comunidade, você precisa aceitar também a responsabilidade de viver em comunidade.

    Isso significa que, se você considera que as universidades são fundamentais para um país e para formar as gerações futuras, você precisa se posicionar contra o Governo que está atacando as universidades, cortando verbas que eram escassas porque já tinham sido amputadas antes e tirando bolsas de alunos e de pesquisadores. Se você considera que proteger a Amazônia e o meio ambiente é obrigatório para o presente e para o futuro, você precisa se posicionar contra o Governo que está destruindo a proteção ambiental e quer abrir as terras protegidas para soja, gado, mineração e grandes obras. Se você considera que matar um outro alegando legítima defesa por estar “sob forte emoção” é autorizar a matança e ampliar os mortos, num país onde já se mata e se morre demais, você precisa se posicionar contra esse projeto a favor do crime. Se você considera que armar a população não é uma medida racional para pacificar um país, você precisa se posicionar. Se você considera que essa não é a reforma da previdência mais justa para a população, você também precisa se posicionar.

    O que os déspotas mais temem é que você seja +um

    Junto com os outros. Tudo o que os déspotas temem é que sejamos +um. E tudo o que querem é que sejamos apenas um. O neoliberalismo incutiu nas mentes das pessoas que ser “um” é melhor. Você é um, faz o que quer e todos os outros que se explodam. Essa é a racionalidade que sustenta os atos de Bolsonaro e do seu grupo. Vale o eu, só importa o meu. Ou só importam eu e a minha família. Ou eu e a minha turma. A comunidade que se exploda.

    O neoliberalismo também infiltrou nas mentes que ser +um é ser desimportante. Porque ser +um é ser junto com o outro, é ser na comunidade, é exercer a solidariedade, é fazer soma para ser mais forte conjugando o coletivo. Ser +um é ser na relação com outro. Já ser um é consumir sem limites, sem se importar com o planeta que todos habitam, é esgotar o hoje sem se importar com o amanhã. Ser um é tão abominável que nem com o futuro dos próprios filhos é capaz de se importar, porque sua satisfação contínua como indivíduo é tudo o que importa. Ser +um é saber que todos os outros importam. O um constrói fronteiras e muros. O +um derruba cercas para alcançar a mão do outro, mas negocia limites mútuos porque sabe que não pode nem quer viver sozinho.

    Já reproduzi em coluna recente um trecho do livro da Pussy Riot Nadya Tolokonikova. Vou repetir mais uma vez, porque é um diagnóstico preciso da nossa situação e inspirador para o momento: “(O que se rompeu foi a) ideia de que podíamos viver confortavelmente sem sujar as mãos nos envolvendo com política, de que bastava um voto a cada quatro anos (ou voto nenhum: o pressuposto de que se está acima da política) para resguardar as próprias liberdades. Essa crença – a de que as instituições estão aqui para nos proteger e zelar por nós, e de que não precisamos nos preocupar em proteger essas instituições da corrupção, de lobistas, dos monopólios, do controle corporativo e governamental sobre nossos dados pessoais – veio abaixo. Nós terceirizávamos a luta política da mesma forma que terceirizávamos as vagas de trabalho mais mal remuneradas e as guerras”.

    Se você pensa que as redes sociais são ruas onde você protesta e exerce a cidadania, está equivocado

    E cá estamos nós. Como está uma parte cada vez maior do mundo governada pelos “déspotas eleitos pelo voto”.

    Já escrevi no passado recente que acreditava que as redes sociais eram ruas também. Ruas de bytes era como eu me referia a elas. Percebo que estava equivocada. As redes sociais não são ruas. Para ser rua é preciso corpo. O que se passa nas redes sociais é importante e têm definido nosso cotidiano. O que se passa nas redes sociais têm muitos impactos sobre a vida e sobre a percepção da vida. Já podemos criar uma biblioteca inteira de livros que refletem sobre esse fenômeno. É necessário investigar o que as redes sociais são, em seus múltiplos significados. Tanto quanto saber o que não são. E as redes sociais não são rua.

    O que se passa nas redes sociais tem efeitos sobre o corpo de cada um. Mas o corpo de cada um não está lá. Ir para a rua, ocupar as ruas, o imperativo ético deste momento, só é possível com encontro. A rua pressupõe encontro real. Pressupõe se arriscar ao outro. Pressupõe conviver de corpo encarnado. Pressupõe negociação de conflitos para dividir o espaço público. A rua é onde estamos com nossos fluidos, enfiados na nossa própria pele, carregando nossas fragilidades diante do outro sem nenhum botão de curtir ou de raiva para acionar. A rua é onde nos arriscamos a nos refletir no olhar do outro e nos reconhecer num corpo que não é o nosso. Nos reconhecer na humanidade e também na diferença.

    A ânsia de “ir para a rua” protestar contra a tirania que se anuncia com atos de ódio explícito, com gestos de destruição, é também a ânsia de romper com a perversão de uma realidade sem corpo, mas que atinge os corpos. E por que parece que é tão difícil esse “vamos para a rua” justamente quando temos tantos motivos para ocupar as ruas? Justamente quanto já viramos a esquina histórica rumo ao autoritarismo?

    Há várias hipóteses e algumas razões, uma delas o medo. Da polícia, que em vez de proteger os corpos, destrói os corpos. Outra o medo do contágio, já que o outro foi convertido num inimigo. Mas a melhor hipótese que escutei nestes últimos dias foi proposta pelo jornalista Bruno Torturra, em seu “Boletim do Fim do Mundo”, de 9 de maio. Ele faz uma analogia entre a libido sexual e a libido política. O que faríamos todos, ao despejarmos nossa revolta nas redes sociais, seria uma espécie de masturbação. Não falta material na internet para excitarmos e darmos vazão a essa libido política, como não falta material na internet para darmos vazão à libido sexual 24 horas por dia.

    Não esgote a sua libido política nas redes, assim como não esgote sua libido sexual na masturbação

    Nenhum problema moral com isso. A questão é que masturbação não é relação sexual. Não estamos com o outro, com o corpo do outro. Não estamos ali em relação a um outro, nem estamos ali numa relação com um outro que não somos nós. Nas redes sociais, mesmo que estejamos dentro de um espaço com vários falando e desabafando e protestando, não são nossos corpos que estão presentes, mas nossos avatares. Ao final, o que restaria seria um extremo cansaço da ação sem ação. E, sugere Torturra, o sentimento de impotência. Esse gozo masturbatório promove um alívio momentâneo, mas não a satisfação (e também o risco) de uma relação com outro corpo. E, assim, não nos movemos. Nos mantemos permanentemente ocupados com nossa indignação e terminamos o dia esgotados, sem que exista um único toque real de um+um.

    Que o primeiro protesto de rua significativo contra o governo de Bolsonaro tenha partido das universidades, segundo Torturra, é revelador. É no espaço das universidades que os estudantes, e também os professores e funcionários, convivem com seus corpos, entre corpos. Ali há compartilhamento real, há negociação, há debate. Há conversa. E há, principalmente, relação. E, assim, há também movimento. É também por essa razão que Bolsonaro e seu ministro contra a Educação decidiram usar o poder conferido pelo voto para destruir a universidade e, assim, perverter o poder conferido pelo voto ao perverter a própria democracia. Qual é o projeto de educação dessa antipresidência? O mesmo projeto que busca transformar a floresta em pastagem, lavoura de soja transgênica e cratera de mineração. O projeto neoliberal. O um.

    É preciso resistir também ao esgotamento da libido política nas redes sociais. Ou, dito de outro modo, é preciso manter seu desejo pulsante para se arriscar ao convívio das ruas. É preciso sair do umbigo de si e alcançar o vasto corpo do outro. É preciso estar junto. Não se dê desculpas. Não custa repetir mais uma vez. Posição e luta não se terceiriza. O que você deixar de fazer não será feito por nenhum outro. Sua ausência será sentida. Você fará falta no combate à tirania que já começou a se instalar no Brasil. Você é +um, mas este um+ que é você só você é. No neoliberalismo que nos governa, o um é sempre substituível. No um+um, cada +um é insubstituível e singular. Mas é preciso um outro que o reconheça, é preciso o + que marca a relação entre dois, entre muitos.

    Como diz Elio, o poeta nascido da catástrofe: “Com +um a história pode seguir”.

    Eliane Brum é escritora, repórter e documentarista. Autora dos livros de não ficção Coluna Prestes – o Avesso da Lenda, A Vida Que Ninguém vê, O Olho da Rua, A Menina Quebrada, Meus Desacontecimentos, e do romance Uma Duas. Site: desacontecimentos.com Email:

    Curtir

    Publicado por felipe puxirum | 8 de julho de 2019, 19:25
  3. Meu arquivo morto ganhou novos papéis.
    Me livrei de uma cirurgia nos olhos programada para este mes. Não conseguia entender o porquê. Procurei outros dois profissionais com alto nível de conhecimento no assunto, que só fizeram confirmar as minhas suspeitas e me convencer de que não existe a mínima necessidade de me submeter ao procedimento agendado. Não se trata de interpretações honestas de profissionais diferentes (o que ainda merece respeito), e sim de um simples tem-ou-não-tem. Não tinha. Nem a mínima manifestação da presença do problema. Nos ultimos meses este profissional vinha fazendo previsões medonhas e solicitando cada vez mais procedimentos diagnósticos, fato que me deixou desconfiado. O pior de tudo foi a piora nos resultados dos exames clínicos (não confirmados pelos dois profissionais consultados posteriormente). A confiança foi tão grande que até na papeleta de solicitação da cirurgia esta “piora clínica” foi relatada, assinada e carimbada.
    Só me resta por um ponto final discreto em 14 anos de relação médico-paciente. Não vou tomar satisfações, nem fazer denúncia. Vou abrir a pasta do arquivo morto e guardar tudo lá dentro. O dossiê atual vai se juntar a um primeiro lá guardado há mais de 14 anos, que dizia que eu tinha de operar um nódulo canceroso na corda vocal, com direito a um dvd fake, provavelmente de outra pessoa. Na ocasião outro conceituado médico foi ouvido e contestou com repúdio a manobra do colega desonesto.
    Procedimentos desnecessários podem estar se multiplicando na sociedade e trazendo sérios problemas. Tenho conversado com usuários do SUS e me impressiona o percentual de insucesso nos tratamentos – principalmente nos usuários atendidos em “fábricas de cirurgias”. Além do prejuízo humano, a orgia de procedimentos desnecessários afeta a contabilidade dos planos de saúde, que respondem com preços cada vez mais restritivos.

    Curtir

    Publicado por J.Jorge | 9 de julho de 2019, 06:57
  4. João Gilberto influenciou ou despertou as carreiras de Chico Buarque, Caetano, Gil e até mesmo Roberto Carlos, entre outros. E seu grande ídolo acho que foi Orlando Silva. Interessante é que Juazeiro nem notou sua morte.

    Curtir

    Publicado por Pedro Pinto | 10 de julho de 2019, 01:08
  5. Faltou-lhe espaço, caro Pedro. A babação exacerbada no circuito Rio-São Paulo pelo infausto acontecimento, ocupou todos os nichos possíveis da imprensa e comoção em meia dúzia de artistas que se dizem fãs e herdeiros do nobre juazeirense. A considerar o que foi dito, antes era o caos, aí fez-se à luz: surgiu João Gilberto, esse Caruso da música popular brasileira. Francisco Alves, Noel Rosa, Mário Reis, Dick Farney (que elegância) até o velho João da Baiana parece que nunca existiram. Vale o dito que celebrizou Ivan Lessa: o brasileiro a cada quinze anos esquece os quinze anos anteriores. Comoção nacional vi no enterro do Chico Alves, cujo velório e cortejo fúnebre, diz a crônica da época, só foi superado pelo de Getúlio Vargas.
    Nesses dias li tanta coisa sobre o pranteado cantor que fiquei até constrangido de não ter sido seu fã. “influenciou a música mundial”, descobriram que, sobre ele, “Sacha Distel disse isso..”, “Stan Getz Disse aquilo”, não sei quem “aquilo outro” “inventou uma nova maneira de cantar”, etc. etc. Com todo respeito e sem querer ofender sua memória, acho que ele não inventou nada; cantando, chegava até aonde aquele fiapo de voz permitia. Não cantava, de fato, sussurrava, declamava. Que me perdoem seus fãs, você e o Lúcio incluídos.

    Curtir

    Publicado por Alcides | 14 de julho de 2019, 01:55

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: