//
você está lendo...
Economia, Grandes Projetos, Minério

“Redescobrindo” o Pará

A Vale é dona da província mineral de Carajás, no Pará, a maior do planeta, que explora desde 1985 e com a qual se tornou a maior exportadora de minério de ferro, sobretudo para a Ásia. Há meses a mineradora faz uma campanha institucional através da mídia, talvez a maior em curso no Brasil, se espalhando por jornais impressos, emissoras de televisão e rádio e pela internet. O mote da campanha é a expressão (re)descobrir, que definiria a natureza da companhia, desestatizada no governo Fernando Henrique Cardoso, em 1997. Diz o texto de abertura:

“Questionadores, inquietos, desafiadores, somos redescobridores.

Porque, para nós, redescobrir é sinônimo de evolução. Acreditamos que não existe nenhuma ideia no mundo que não possa ser reinventada, repensada e melhorada. Porque é possível, sim, fazer melhor, de maneira mais eficiente e sustentável. E é assim, redescobrindo soluções para essas questões, que vemos novas formas de enxergar o futuro”.

Na apresentação dos vídeos incluídos no seu portal, a companhia apresenta números atestando a sua capacidade, que se tornariam mais convincentes se detalhasse os resultados:

* 8,5 mil km2 de áreas protegidas, equivalente a 5,6 vezes o total de áreas ocupadas pelas unidades operacionais (poderia localizar as unidades, identificá-las e fornecer um resumo da sua condição atual).

* US$ 14 milhões investidos pela Fundação Vale em 52 projetos em 65 municípios (quais projetos? Em quais municípios? Como se encontram?).

* 55% da eletricidade consumida vem de autoprodução (quanto gera de energia, onde estão e quais as características dessas unidades?).

* Maior produtora de patentes no setor nos últimos sete anos no Brasil (rol dessas patentes).

Respostas simples a essas perguntas poderiam ter sido incluídas na exposição itinerante organizada pela Vale, de uma pobreza espantosa, como se a empresa não considerasse o povo inteligente, capaz de entender matérias mais complexas do que fantasias e primariedades.

Uma pergunta coerente com esse desafio que os paraenses podem fazer: a Vale pode redescobrir um papel não colonial para o Estado do Pará? Pode redescobrir um meio de dar aproveitamento industrial ao seu minério de ferro, o mais rico do planeta?

Com a resposta, o redescobridor, se a possui ou está disposta a procurá-la, com seu faro inventivo.

(Jornal Pessoal, dezembro de 2018)

Discussão

3 comentários sobre ““Redescobrindo” o Pará

  1. Fugiria ao tema da campanha, mas todo o paraense merece saber: quanto deixou de pagar ao Estado do Pará graças à malfadada Lei Kandir.

    Curtir

    Publicado por bernstil | 30 de setembro de 2019, 07:29
  2. Excelentes perguntas.

    Só acredito e reconheço os números de mortos em Brumadinho e Mariana.

    Curtir

    Publicado por Almir | 30 de setembro de 2019, 10:19
  3. Perguntar não ofende: o que ganha o Pará com a exploração de seus minérios?
    Quanto se gasta com a miséria atraída por essa exploração?
    Vale a pena a Vale?
    A Vale leva a riqueza e o Pará leva ferro!

    Curtir

    Publicado por Jab | 3 de outubro de 2019, 21:23

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: