//
você está lendo...
Governo, Polícia, Política, Saúde

Helder é o alvo?

A Polícia Federal não parece ter mais dúvida de que há crime na aplicação de quase 1,3 bilhão de reais em 15 meses pelo governo do Pará na área de saúde, entre agosto de 2019 e maio deste ano, principalmente depois da pandemia do coronavírus.

As maiores irregularidades foram praticadas na construção e operação de hospitais de campanha para o combate à doença. A corrupção foi favorecida pelo caráter emergencial usado para a contratação de Organizações Sociais com dispensa ou inexigibilidade de licitação pública.

A PF conseguiu convencer a justiça federal dessa conclusão. Por isso, obteve nova autorização para cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão na madrugada de hoje. Novos integrantes da administração estadual foram atingidos.

Desta vez, Parsifal Pontes, secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, ex-chefe da Casa Civil, muito próximo do governador, o secretário de Transportes, Antônio de Padua, e Leonardo Maia Nascimento, assessor de gabinete.

O próprio Helder Barbalho ficou de fora desta nova etapa da investigação porque o Superior Tribunal de Justiça não autorizou uma nova ação contra ele. A proteção, porém, parece mais uma trégua ou um componente da escalada.

Motivos para incluir o governador na ação não faltam. Mas provavelmente ainda não são suficientes para prendê-lo, a providência que não foi adotada quando a residência de Helder Barbalho foi vistoriada, juntamente com os eu gabinete, que voltou a ser visitado hoje pelos policiais, no episódio anterior.

A cautela pode também ter relação com o aspecto político subjacente à operação. Ao menos parte da Polícia Federal pode estar sob o raio de influência indireta do presidente Jair Bolsonaro com o objetivo de investir contra governadores que são seus adversários, como Helder Barbalho, ou inimigos, como Wilson Wizel, do Rio de Janeiro, e talvez, já agora, João Dória, de São Paulo, Estado que entrou no alvo hoje.

O componente político, contudo, não significa que não há motivos reais para a apuração de irregularidades e crimes nos 12 contratos sob investigação policial. A imprensa alternativa local já mostrou as falhas nessas contratações, algumas delas graves. O governo, porém, preferiu ignorar as denúncias e críticas. Pode pagar caro se ficar provado que esse silêncio traduziu cumplicidade com os crimes investigados: fraude em licitações, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa, com penas previstas superiores no total a 60 anos de reclusão.

Discussão

7 comentários sobre “Helder é o alvo?

  1. Posto isto, vale mencionar o total silêncio dos veículos de comunicação pertencentes ao governador e sua família (como é de se esperar). Como já disse uma vez aqui, as cores que pintam este Pará “Mágico” que vemos nos veículos da família Barbalho começam a cobrar seu preço.

    Curtir

    Publicado por Jaime Lopes | 29 de setembro de 2020, 09:42
  2. o alvo mesmo são miseráveis
    que ainda assim votaram nele
    como pai mãe e apadrinháveis
    o pará que merece o pará dele

    Curtir

    Publicado por felipe púxirum | 29 de setembro de 2020, 10:15
  3. Prezado Lúcio. O Edson Araujo Rodrigues que aparece na relação dos investigados é o mesmo que está envolvido no rolo das cestas básicas?

    Curtir

    Publicado por Sérgio Macnamara | 29 de setembro de 2020, 18:33
  4. Carta de um servidor público do Pará ao seu governador:

    Helder Barbalho;

    Você assumiu o estado com promessas de grandes investimentos na saúde pública; mas os servidores não demoraram a perceber a presença sinistra de pessoas nas unidades de saúde tecendo diagnósticos (falsos) de relação custo/benefício muito alta. Era o preâmbulo de um ardil para tentar justificar uma onda de terceirizações bilionárias.

    Diga-se que voce Helder, nunca visitou estas unidades “deficitárias”, nunca olhou cara-a-cara os servidores; nunca conversou com eles; preferiu se esconder atrás de nomes de gestores que desde então não têm feito outra coisa senão contribuir para denúncia de superfaturamento bilionário com compras e contratações de serviços terceirizados.

    Caiu a sua máscara Helder, ou como disse Jatene durante o debate na televisão… “barbalinho”, apenas uma continuidade do passado nefasto do barbalhão para este estado. Nas unidades de saúde pública, os servidores públicos chegaram a ser criticados pelos seus asceclas, tentaram nos imputar uma culpa por tornar o serviço tão dispendioso, quando é o seu governo e a sua equipe de governo que vem agora passar vergonha perante o país inteiro por compras e contratações superfaturadas – este sim o verdadeiro motivo, e não a ineficácia do servidor público.

    Os bilhões de reais gastos de forma questionada pela justiça federal é o dinheiro que vai faltar para as pessoas a quem você prometeu tanta coisa. Tirando daquilo que estava funcionando.

    Curtir

    Publicado por J.Jorge | 29 de setembro de 2020, 20:57
  5. Alguém aí esqueceu o Vulgo anterior Auditor Geral Giussep Mendes, que deu conformidade nessas ações, e agora está fazendo farra com dinheiro da previdência do estado, toda semana pública contratos milionários em sua gestão de 3 meses já gastou todo aporte do IGEPREV. Polícia Federal, Ouvi dizer que muitos documentos estão sendo picotados, correeeeee, que a bagunça está grande por lá .

    Curtir

    Publicado por Docinho | 3 de outubro de 2020, 17:22

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: