//
você está lendo...
Desmatamento, Ecologia, Estradas, Estrangeiros, Fazendas, Floresta, Fronteira, Governo

Mais destruição

O governo federal pretende lançar o edital de licitação para a construção de uma nova estrada no Acre entre os dias 10 e 15 deste mês. Aparentemente, é uma obra menor. Terá 200 quilômetros de extensão, ligando Cruzeiro do Sul, que fica 630 quilômetros a oeste de Rio Branco, a capital do Estado, a Pucallpa, no Peru. Seu orçamento ainda não foi definido, mas o presidente Jair Bolsonaro, defensor da obra, anunciou que já estão disponíveis 45 milhões de reais para começar a implantação.

A simplicidade da iniciativa é mesmo apenas aparente. O Acre é, proporcionalmente, o Estado com mais predomínio de floresta da Amazônia. Abriga algumas das espécies de maior valor, devastadas no Pará, em Rondônia e Mato Grosso. Por causa dessa densidade florestal, o Acre tem sido mais ou menos protegido de atividades que exigem desmatamento, como a pecuária e o cultivo de soja, incluindo rodovias.

Cruzeiro do Sul é o ponto extremo de uma das mais destrutivas das estradas de integração nacional, a BR-364, que começa em Cuiabá. Ela levou à descaracterização de Rondônia como característico território amazônico, disseminando propriedades agrícolas e pecuárias, minifundiárias ou latifundiárias, ao longo do seu trajeto.

As grandes rodovias, em seu ciclo de mais de 70 anos, iniciado no final da década de 1950, com a Belém-Brasília e a Brasília-Acre, se caracterizou como a maior ameaça à integridade da Amazônia. Quando se intensificou a pressão para a conclusão do asfaltamento de outra dessas estradas troncais, a Santarém-Cuiabá, organizações não governamentais e o próprio Banco Mundial elaboraram um plano de uso sustentável no eixo de mais de 1,5 mil quilômetros da BR-163. Assim, se poderia evitar o desmatamento incontrolado e a violência, duas das marcas dessas intervenções nos “espaços vazios” amazônicos.

Foi em vão. Logo a região incorporou as mesmas características, com grilagem de terras, invasão de áreas de conservação e indígenas, muitos conflitos e mortes.

O isolamento de parte da Amazônia e a sua distância dos principais centros econômicos do país sempre são motivos utilizados pelos defensores de estradas, a construir ou melhorar, independentemente de seu balanço – entre prós e contras ­– ser negativo. É o mesmo motivo a justificar os 200 quilômetros de Cruzeiro do Sul a Pucallpa. Os acreanos poderiam economizar três mil quilômetros de frete e complicações para importar mercadorias do sul do Brasil.

Na década de 1980, a chefe do departamento de recursos naturais da Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia), Clara Pandolfo, uma técnica respeitada, se opôs à implantação de três fazendas de gado no Acre, por total incompatibilidade com a área, toda de floresta. Mas o superintendente, Elias Sefer, queria aprovar os projetos, apoiados pelos incentivos fiscais. Seu argumento: o Acre ainda não fora contemplado com uma fazenda, ao contrário dos outros Estados. Não mandou mais os projetos para a apreciação do setor especializado e aprovou as fazendas.

O Acre merece mais cuidado e atenção do que simplesmente atender reivindicações justas em tese. Além do mais, com a pressa que o governo Bolsonaro tem, ainda nãos e sabe se o governo peruano fará a sua parte para a integração do Estado brasileiro até o litoral do Pacífico, abrindo uma nova rota de desenvolvimento.

Dos 200 quilômetros da estrada, 110 serão em área peruana. O governo local já tem muitos problemas na sua agenda, incluindo críticas por favorecer a destruição dos recursos naturais da sua parte amazônica. Vai continuar nesse rumo, aliando-se a um vizinho truculento?

Discussão

4 comentários sobre “Mais destruição

  1. A construção de uma Ferrovia não seria menos danoso.

    Curtir

    Publicado por cliff | 3 de dezembro de 2020, 07:43
  2. Lúcio, pela BR 364 já se pode chegar até a fronteira com o Peru. Inclusive, sem passar por Cruzeiro do Sul e nem Mâncio Lima. A rodovia segue por Rodrigues Alves.

    Curtir

    Publicado por pedrocarlosdefariapinto | 3 de dezembro de 2020, 10:11
    • Até onde s\ei, a 364 termina mesmo em Cruzeiro do Sul. A nova estrada parte daí na direção do Parque Nacional da Serra do Divisor (esta é uma das duas unidades de conservação ameaçadas, mais duas terras indígenas), no vale do Juruá, até Puccallpa,, passando por Mâncio Lima, até o Rio Azul, na fronteira com o Peru, numa região de floresta densa. Muitos anos atrás, estive na serra, que, como o próprio nome diz, separa os dois países. Gozando os brasileiros, os peruanos diziam que sugavam
      petróleo por baixo da serra.

      Curtir

      Publicado por Lúcio Flávio Pinto | 3 de dezembro de 2020, 10:39

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: