//
você está lendo...
Desmatamento, Ecologia, Estrangeiros, Floresta, Madeira, Memória, Navegação

Memória – Foi-se o mogno

A Folha do Norte noticiava, em 1968, que “regularmente” navios estrangeiros, sobretudo da Booth Line, deixavam o porto de Belém rumo aos Estados Unidos carregados de mogno, “quase todo ele originário das diversas regiões da Belém-Brasília, notadamente da que se situa do Estado de Goiás”, atual Tocantins (que não tem mais mogno).

A madeira “tem grande aceitação naquele País, onde é utilizada para o fabrico de móveis”. Era transportada até o porto em grandes caminhões, já semi-beneficiada, na forma de tábuas ou pranchas. Os volumes eram inferiores aos atuais, mas apareciam porque iam para o exterior. Depois, seguindo para outros Estados, especialmente São Paulo, não causavam o mesmo impacto.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: