//
você está lendo...
Educação, Memória

Memória – O trote dos anos 60

Numa época em que as faculdades se espalhavam pela cidade, um pouco antes do confinamento no campus do Guamá, os estudantes universitários faziam o trote com passeatas pelo centro, sempre fazendo uma parada em frente aos jornais para serem anotadas as placas que carregavam.

Em 1966, quando o regime militar ainda não endurecera de todo, os dizeres de alguns dos cartazes dos calouros de geologia, farmácia e engenharia eram: TV universitária apresenta: viagem ao fundo do Gua…mar (referência a um seriado da televisão: viagem ao fundo do mar); Macacos me mordam se não há liberdade no Brasil; Zé Reitor comanda: Vagas – pra inglês ver e pau – para quem correr; Piada: já raiou a liberdade no horizonte do Brasil; Como dizia Fócrates: engenharia é SODA; Os 4 B do símbolo de Belém: Belém, besteira, burrice, bandalheira (ironia com a logomarca dos 350 anos da cidade).

Na parada em frente à sede do governo, o calouro de geologia Edésio Maria Buenana Macambira fez um discurso.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: