//
você está lendo...
contrabando, Memória

Memória – Leilão de contrabando

Um dos bons programas em Belém entre as décadas de 1950/60 eram os leilões de mercadorias contrabandeadas apreendidas, que aconteciam na alfândega. Eram sandálias japonesas, uísque, perfumes e até automóveis americanos. Um dos itens que mais revelava certa relação entre a repressão e o reprimido eram produtos apreendidos sem peças ou componentes essenciais.

Os próprios contrabandistas costumavam fazer essa intervenção estratégica e depois até se davam ao luxo de denunciar a muamba para ser apreendida. Só eles estavam em condições de arrematar o objeto, de muito maior valor, por terem em seu poder um elemento essencial.

Assim se deu em 1962, quando um motor Ford foi arrematado – e a preço relativamente baixo – porque estava sem algumas peças.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: