//
você está lendo...
Desmatamento, Ecologia, Floresta, Governo, Queimadas

A fogueira amazônica

Em nove anos, entre 2004 e 2012, foram desmatados no Amazonas, o maior Estado do Brasil (com seus quase 1,6 milhão de quilômetros quadrados seria o 18º maior país do mundo), 6.034 quilômetros quadrados. De 2013 até ontem, em nove anos, ainda por completar, o desmatamento somou 10.263 km2. O maior desmatamento foi atingido em 2021, de 2.342 km2, ainda faltando pouco mais de um mês para o ano acabar. A taxa de incremento em relação a 2020 foi também recorde: 55%.

No Acre, em 14 anos (de 2013 a 2017), o desmatamento somou 4.583 km2. Nos últimos quatro anos a partir de 2018, o total foi de 10.283 km2, mais do que o dobro. O recorde também foi em 2021; 871 km2. A taxa foi de 23% em relação ao ano anterior.

Esses números mostram que a expansão da predatória fronteira amazônica vai se intensificar para novas unidades, sobretudo o Amazonas e o Acre, os Estados com cobertura vegetal predominante, os menos desflorestados da região. O Acre com área 10 vezes menor do que o vizinho Amazonas, do qual se desmembrou.

Pelo ritmo do desmatamento registrado pelo Inpe nos últimos anos, os novos alvos dificilmente conseguirão se livrar do destino imposto às demais unidades federativas regionais: da expansão da atividade produtiva (e, acima de tudo, especulativa) à custa dos recursos naturais destruídos.

Roraima, o mais setentrional dos Estados, também já foi alcançado pelos pioneiros e desbravadores (na verdade, os mais destruidores), mas seu espaço (sete vezes menor do que o do Amazonas), é dividido entre floresta densa e campos abertos.

Em 2019 (primeiro ano do governo Bolsonaro), o Amazonas superou Rondônia entre os Estados mais desmatados da Amazônia, ocupando o terceiro lugar (com 1.245 km2), depois do Pará (3.862 km2) e o Mato Grosso (1.685 km2).

O desmatamento em Rondônia foi de 1.245 km2, mas o Estado nem pode comemorar: a floresta tipicamente amazônica (a hileia) ocupa espaço menor em seu território. Rigorosamente, na realidade. Rondônia já é mais Centro-Oeste do que Amazônia. Em uma parte considerável da Amazônia, ao longo de uma faixa contínua de terras, que foi inicialmente conhecida como Arco do Desmatamento, em seguida como Arco de Fogo, a vegetação que predomina é a savana. A hileia foi transferida para os manuais de botânica e os tratados de história.

A situação mais cruel parece ser a do Pará, que se tornou o mais poderoso dos Estados da região, por sua liderança nacional na produção de minérios para exportação e geração de energia bruta, além de estrutura logística para escoar a produção alheia (especialmente de Mato Grosso) para os mercados internacionais.

O Estado, o segundo mais extenso da Amazônia, com 1,2 milhão de km2 (seria o 22º maior país do mundo), é a maior vítima do desmatamento. Só entre 2004 e 2021, o Estado perdeu quase 85 mil km2 das suas florestas, o equivalente a 7% de todo território estadual.

O primeiro choque mundial provocado por grandes queimadas na região aconteceu no Pará, em 1976, quando o satélite americano Skylab “fotografou” uma queimada de 10 mil hectares praticada pela Volkswagen para formar pastagem para gado na fazenda que possuía no sul do Estado.

Desde então, o Pará é o líder dessa lista nefasta, tanto em números absolutos como proporcionais, a partir dos levantamentos oficiais do Inpe. Dos 186 mil km2 que foram desmatados entre 2004 e 2021, 83 mil km2 aconteceram no Pará. No 2º lugar, Mato Grosso registrou 37 mil km2 e Rondônia, 22 mil. Os três Estados mais desflorestados somam 142 mil km2. O total dos outros seis Estados (43 mil km2) é metade da cota paraense.

Mas isto está mudando. Como quase sempre na Amazônia, desde que ela passou a ser o alvo da maior frente de penetração da história brasileira, para pior.

Discussão

2 comentários sobre “A fogueira amazônica

  1. Na coluna do Marcelo Leite de hoje na Folha o articulista chama a atenção para o bestial desdém do brasileiro em relação ao bilhão de árvores amazônicas postas abaixo . O mesmo carão que o Sr passa a nós paraenses pelo pobre destino a nós imposto goela abaixo pelos gabinetes brasilienses sem que nada mude

    Curtir

    Publicado por Arlindo Carvalho | 20 de novembro de 2021, 20:25
  2. Parafraseando um provérbio de um indígena norte-americano de 1872, será que é somente quando for cortada a última árvore, pescado o último peixe, poluído o último rio, que as pessoas vão perceber que não podem comer dinheiro?

    Curtir

    Publicado por igor | 20 de novembro de 2021, 22:20

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: