//
você está lendo...
Memória

Doce provincianismo

Encontro este delicioso anúncio em edição do Correio da Manhã de junho de 1963. Era lindo ser pequeno e provinciano. Faz-me lembrar de quando ia ao aeroporto de Belém catar portador conhecido que levasse carta ou encomenda para Santarém. Ou, nas voltas, com mais correspondência e encomenda do que um carteiro, igualmente recebida no aeroporto. Como uma mão lavava a outra, não rejeitava – nem aceitava rejeição.

VIAJO . À EUROPA Semana próxima, aceito encomendas. Tel: 42-4246 — das 12 hs às 18 hs. 29932 Rio de Janeiro. 22 de junho de 1963.

Discussão

2 comentários sobre “Doce provincianismo

  1. Esse anúncio e a foto que você postou outro dia do Luiz Braga, de um alfaiate, me lembrou Manoel de Barros.
    “Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
    Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas).
    Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
    Fiquei emocionado.
    Sou fraco para elogios.”

    Curtir

    Publicado por Cristina Gemaque | 16 de janeiro de 2022, 17:30
    • Assino embaixo desses versos, Cristina.
      A foto do Luiz é tão autêntica que nos faz lembrar da velha Havana, nos detalhes das inscrições nas paredes (telefone 229426 da livraria e o endereço dos advogados Platão Barros e Hélio C. Lopes, e das tubulações de águia expostas).

      Curtir

      Publicado por Lúcio Flávio Pinto | 16 de janeiro de 2022, 17:49

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: