//
você está lendo...
Índios, Biodiversidade, Economia, Energia, Estrangeiros, Extrativismo, Hidrelétricas, Multinacionais, Petróleo

Arquivo – O polêmico gasoduto

O procurador-geral da República no Amazonas, Sérgio Lauria, anunciou, em Manaus, em 2003, que ajuizaria na justiça federal uma ação civil pública para suspender a construção do gasoduto Urucu-Porto Velho, caso a Petrobrás não cumprisse as recomendações apresentadas para reduzir o impacto ambiental e social da obra.

A empresa já possuía a licença provisória do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) para iniciar os serviços, mas o Ministério Público considerou insuficientes os estudos apresentados sobre o impacto ecológico do projeto, classificado de “temerário” pelo procurador.

As principais restrições eram feitas à estrada de acesso ao gasoduto, acompanhando-o em toda a sua extensão. Ela poderia se tornar numa via de expansão de frentes econômicas por uma área habitada por nove grupos indígenas e populações caboclas que viviam do extrativismo, numa região ecologicamente complexa e frágil, mas que possuía um enorme potencial de informações sobre a biodiversidade. Também era criticada a posição metodológica da Petrobrás, que não estudou alternativas ao gasoduto como meio de transporte do gás. Várias ONGs sustentavam que a melhor opção era o próprio rio.

Havia quatro anos, era dessa forma que a Petrobrás levava gás e óleo do Urucu para Manaus, na maior parte do percurso. O produto seguia inicialmente por um poliduto, desde a jazida de petróleo até a margem do rio Coari, por 250 quilômetros. A partir daí o gás, liquefeito, continuava em barcaças ao longo de 420 quilômetros até a refinaria de Manaus.

A Petrobrás, porém, queria substituir a pernada fluvial por um novo duto, entregando óleo e gás brutos na porta da refinaria. Esse seria o mesmo esquema do gasoduto de 550 quilômetros de Urucu para Porto Velho, a capital de Rondônia, a terceira maior cidade da Amazônia, então com quase 350 mil habitantes, que era suprida por uma pequena hidrelétrica, a de Samuel, e térmicas a óleo diesel. Para Porto Velho o duto transportaria 2,3 milhões de metros cúbicos por dia. Já para Manaus, seriam 4 milhões de m3.

A Petrobrás previa inicialmente investir 1,7 bilhão de dólares nos dois gasodutos. O orçamento foi reduzido para US$ 550 milhões. A estatal se associou nesse projeto ao BNDES, que era um dos agentes financeiros, juntamente com o Eximbank do Japão, e mais as multinacionais El Paso (que já era a maior fornecedora de energia em Rondônia), Halliburton, Schlumberger e Techint. As reservas de gás identificadas em Urucu seriam suficientes para 15 anos de exploração.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: