//
Arquivos

Memória

Esta categoria contém 656 posts

Memória – Apreende/Libera

Dois movimentos distintos (mas, de certa forma, complementares) registrados num mesmo dia, em abril de 1963, na Guarda-Moria da Alfândega (que funcionava no Convento das Mercês, hoje Escola Fazendária). Primeiro recebeu 54 sacos e 103 caixas de sandálias japonesas, mais 129 caixas de uísque White Horse (o então popular Cavalo Branco, sempre acompanhado de uma … Continuar lendo

Memória – Cabos eleitorais associados

Em junho de 1963, a Associação dos Cabos Eleitorais do Pará, presidida pelo professor Azevedo Maia, convidou “seus associados, estudantes, classes operárias, o povo em geral e especialmente as crianças” para receber o também professor Gilberto Mestrinho, “este grande líder e construtor da nova Amazônia”. O então governador amazonense visitaria a insólita associação em sua … Continuar lendo

Memória – Cobiça não confirmada

Circulava por Belém, em 1963, a informação de que “argutos capitães da indústria” de São Paulo estavam interessados em comprar empresas “genuinamente regionais” que controlavam os principais negócios do Pará. As mais tradicionais eram: Jorge Corrêa S/A (proprietário da Palmeira, de biscoitos e massas), Martins Jorge S/A (Fábrica Perseverança de fiação e tecelagem de juta … Continuar lendo

Memória – Juízes: todos aprovados

No final de 1962, o Tribunal de Justiça do Estado realizou concurso público para o preenchimento de 25 vagas de juiz de primeira entrância nas principais comarcas do interior. Por incrível que pareça, principalmente para os que vivem a realidade de hoje, passaram todos os 25 candidatos. A maior nota foi alcançada por Wilson Marques … Continuar lendo

Memória – Pelos 4 cantos da cidade

Coluna não assinada em jornal costuma ser uma bacia das almas. Como todo mundo mete a mão, serve de abrigo a todos os interesses e estilos. Assim era a coluna Pelos 4 Cantos da Cidade, da Folha Vespertina, que surgiu simultaneamente à Vozes da Rua. Mas podia-se perceber, também nela, o dedo do dono, Paulo … Continuar lendo

Memória – Novo colunismo social

Armando Pinheiro pode ser saudado como o pai do colunismo social moderno no Pará. De um tipo de colunismo que ainda mantinha as características de crônica social do passado, mas incluía também notícias mais objetivas. Armando virou colunista da Folha do Norte, por estímulo de Haroldo Maranhão, neto do lendário Paulo Maranhão, dono e principal … Continuar lendo

Memória – CEPC censurado

Em janeiro de 1945, Raimundo Melo e Otávio Blatter Pinho colocaram em circulação o CEPC, um jornal que deveria ser o porta-voz dos alunos do Colégio Estadual Paes de Carvalho. Para poder ser impresso (pela Revista Veterinária, de H. Barra), o jornal teve que ser registrado no DEIP (Departamento Estadual de Imprensa e Propaganda), que … Continuar lendo

Memória – Rio de coronéis

Em maio de 1944, o coronel José Júlio de Andrade, “nosso prezado amigo e distinto capitalista”, foi passando do aeroporto de Belém, aonde chegou por via aérea, vindo da capital da república, que era então o Rio de Janeiro, para a redação da Folha do Norte. No jornal, manteve com seus dirigentes “agradável palestra”. Cumprida … Continuar lendo

Jornal Pessoal cabano

O baixinho alenquerense de fé

Se apresentado como o cônego Raul Tavares de Sousa, talvez poucos soubessem quem era. Mas como o padre Raul, era fácil identificá-lo. Ele se enquadrava no tipo popular do baixinho brigão, encrenqueiro, vigoroso, enérgico, compreensivo, vocacionado – por sua espiritualidade e carisma – a desempenhar uma das suas mais importantes missões, com destemor e plena … Continuar lendo