//
Arquivos

Colonização

Esta categoria contém 27 posts

Despejos no sul do Pará

Grande parte das famílias que ocupam o acampamento Helenira Rezende, no sudeste do Pará, já está se retirando da fazenda Cedro/Fortaleza. O Comando de Missões Especiais da Polícia Militar começou a cumprir, às sete horas da manhã de hoje, a medida liminar de reintegração de posse na propriedade. A operação conta com 15 caminhões e … Continuar lendo

A história na chapa quente (334)

Pará e Maranhão (Publicado no Jornal Pessoal 325, de junho de 2004) Maranhão e Pará, irmanados por uma complementaridade compulsória e uma irmandade involuntária, têm desperdiçado energia a se digladiar por alvos que nunca chegaram nem a saber se lhes causa mais lucro ou prejuízo. O Pará é um dos principais destinos dos fluxos migratórios … Continuar lendo

A história na chapa quente (333)

Destruição e morte: o enredo não muda (Escrevi este artigo para o Jornal Pessoal 325, de junho de 2004, depois de ter conversado com a irmã Dorothy Stang, durante um debate na Assembleia Legislativa. Informado sobre o clima tenso e ameaçadoir em Anapu, na Transamazônica, onde ela exercia sua ação missionária, pedi-lhe que se retirasse … Continuar lendo

A terra do bandido

Líder em trabalho escravo, em violência no meio rural, em pistoleiros de aluguel, em destruição da natureza, em educação ruim, em precariedade de serviços e saneamento básico nas cidades, em saúde pública – a lista de fatos desabonadores em uma agenda cotidiana na Amazônia é extensa e assustadora. Em algumas situações e em alguns lugares, … Continuar lendo

Internacionalizar para não internacionalizar

Em 1981, o governo federal criou e começou a implantar o Programa Integrado de Desenvolvimento do Noroeste do Brasil o Polonoroeste, entre Rondônia e Mato Grosso. Pavimentando e asfaltando a BR-364, que ligava o resto do país a essa região, o objetivo era assentar migrantes numa área de 410 mil quilômetros quadrados, ou quatro milhões … Continuar lendo

Delenda Amazônia

Em 7 de janeiro de 1835 irrompeu uma revolta popular em Belém do Pará. A revolta de índios, negros e caboclos rompeu sangrentamente a dominação portuguesa na Amazônia, que se mantinha quase intacta na Amazônia, 13 anos depois da independência do Brasil. Era tão monolítica que, para rompê-la, que o motim durou cinco anos e … Continuar lendo

Guerra pela floresta

Uma coisa é defender a Amazônia sentado à frente de um poderoso computador conectado com satélites e bancos de dados. Outra é combater os que destroem a região em campo – um verdadeiro campo de batalha. Raros dos milhares de migrantes que chegam à região todos os anos se instala com uma formação sobre o … Continuar lendo

Agenda Amazônica (9)

Ainda há esperança para a Amazônia? (Publicado na Agenda Amazônica nº 16, de dezembro de 2000) A Amazônia começou o século com não mais do que meio por cento da sua paisagem original alterada pelo homem, algo como 15 mil quilômetros quadrados. A natureza era o elemento dominador. O homem, um detalhe. O grande massacre … Continuar lendo

Agenda Amazônica (7)

PERGUNTA/RESPOSTA (Publicado na Agenda Amazônica nº 16, de novembro de 2000) Nesta seção, respondo a perguntas feitas em palestras e que não pude atender por falta de tempo. Embora o debate costume ser o melhor momento desse tipo de acontecimento, quando deixado para o final fica inconcluso e insatisfatório. Nesta edição, respondo a perguntas feitas … Continuar lendo

Agenda Amazônica (5)

A Amazônia no (sob o) mundo (Última parte da matéria publicada no número 9 da Agenda Amazônica, em 2000) A Amazônia é definida pelo II PDA (Plano de Desenvolvimento da Amazônia) como uma área [pioneira em fase de mudança que impõe um “reexame das concepções antigas, que se deixavam dominar pelas ideias de complexidade sem … Continuar lendo