//
Arquivos

Estrangeiros

Esta categoria contém 26 posts

Enquanto a caravana passa

“Na surdina, o governo Temer decretou o fim de uma das maiores reservas da Amazônia para ampliar a mineração. Esse pode ser o fim da floresta. Vamos impedi-lo! Mineradoras canadenses foram alertadas 5 meses antes do público sobre isso. Mas o que o presidente não esperava era a revolta que essa notícia iria gerar, e … Continuar lendo

A história na chapa quente (329)

O Pará é do mundo (Publicado no Jornal Pessoal 324, de maio de 2004) A Austrália é atualmente o maior produtor mundial de alumina, um pó branco resultante da lavagem da bauxita que serve de insumo para a fundição do alumínio metálico. A produção australiana no ano passado foi de 11,3 milhões de toneladas. A … Continuar lendo

A história na chapa quente (328)

Estrangeiros na Amazônia: entre espiões e fantasmas (Publicado no Jornal Pessoal 323, de maio de 2004) Reportagem escrita por Frank Siqueira e publicada em O Liberal no final do mês passado, sob o título “Soberania sobre a Amazônia é posta em xeque”, provocou no meio acadêmico impacto semelhante ao da entrevista que David MacGrath deu … Continuar lendo

A Juruti da Alcoa e o silêncio da Ufopa

A Universidade Federal do Oeste do Pará foi criada em 2009. No mesmo ano, a mina de bauxita da Alcoa começou a produzir em Juruti, o último município, a leste de Santarém, antes da divisa com o Estado do Amazonas. Ontem, a multinacional americana, a maior no mundo no seu setor de atuação, comemorou nove … Continuar lendo

A história na chapa quente (324)

O fogo, outra vez (Publicado no Jornal Pessoal 323, de maio de 2004) O espanto tomou conta dos cientistas da Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos, quando, no dia 1º de setembro de 1987, eles viram a imagem transmitida pelo satélite NOAA-9, em órbita da Terra, a 833 quilômetros de distância. Ao longo das … Continuar lendo

O dinheiro de Juruti

A Alcoa pagou 240 milhões de reais à prefeitura de Juruti no acumulado desde 2006, quando começou a produção, até julho deste  ano como imposto e royalty, que é a compensação financeira pela exploração da bauxita que existe no subsolo do município, no extremo oeste do Pará, na divisa com o Amazonas. A empresa americana, … Continuar lendo

A guardiã da floresta

A Reserva Nacional de Cobre e Associados foi criada em 1984 pelo Conselho de Segurança Nacional, um ano antes do fim do regime militar, iniciado em 1964. Havia indícios de que nesses 4,6 milhões de hectares, entre o Amapá e o Pará, houvesse minérios. Talvez os mesmos da Serra do Navio, bem ao lado, onde, … Continuar lendo

Agenda Amazônica (11)

O capítulo do cobre (Publicado na Agenda Amazônica nº 18, de fevereiro de 2001) Em julho de 2003 o Pará ingressará na era do cobre, o segundo mais oneroso item da pauta brasileira de importação de bens minerais,  para se tornar o principal Estado minerador do país, podendo desbancar, até o final da década, Minas … Continuar lendo

O fantasma do cobre

O senador Ranolfe Rodrigues, da Rede Solidariedade do Amapá, subiu à tribuna no dia 23 para denunciar “o maior crime contra a floresta amazônica desde 1970”, quando foi iniciada a construção da rodovia Transamazônica. Em tom apocalíptico, o senador oposicionista identificou a ameaça: o decreto 9.142, que o presidente Michel Temer sancionara apenas horas antes. … Continuar lendo

Agenda Amazônica (9)

É possível fazer história na Amazônia? (Publicado na Agenda Amazônica 9, de janeiro de 2001) Escrevi este texto para o livro Estado e Políticas Públicas na Amazônia (Gestão de Recursos Naturais), organizado por Maria Célia Coelho, Lígia Simonian e Norbert Fenzl, publicado pela editora Cejup no final do ano passado. Em 1976, o satélite Landsat, … Continuar lendo